conecte-se conosco


Esporte e Saúde

Sente dor no tendão de Aquiles? Veja dicas e saiba como evitar o problema

Publicado

Dor no tendão de aquiles euatleta (Foto: Getty Images)Dor no tendão de Aquiles é uma queixa comum entre os corredores (Foto: Getty Images)

A lesão no tendão de Aquiles, estrutura que liga a musculatura da panturrilha ao calcanhar, está entre as três queixas mais frequentes entre os corredores. Algumas dicas de biomecânica ajudam a minimizar a sobrecarga sobre essa estrutura e assim auxiliar no cuidado dessa essa lesão:

Não corra na ponta do pé
Correr na ponta do pé, ou seja, correr sem colocar peso no calcanhar em nenhum momento da passada, é o padrão de movimento que mais faz o tendão de Aquiles sofrer. Esse tipo de pisada está ficando comum entre os corredores que, na tentativa de alterar a aterrissagem para médio-pé ou antepé, acabando fazendo um movimento exacerbado e sobrecarregando a panturrilha. Mesmo que a pisada ocorra com a parte da frente do pé, o calcanhar deve tocar o chão logo em seguida.

euatleta lesoes tendao de aquiles (Foto: eu atleta)

Tente não “pular” muito
A passada da corrida envolve um salto simultâneo para frente e para cima. O ideal é que o salto para frente seja grande e o salto para cima seja o menor possível. Correr saltando muito, além de ser um desperdício de energia, coloca o tendão de Aquiles em situação de sobrecarga e deve ser evitado.

Fortaleça a perna toda
É intuito e correto pensar que o fortalecimento da panturrilha ajudará em casos de lesão no tendão de Aquiles. Porém, outros músculos da perna são muito importantes nessa patologia, pois a perna deve funcionar bem integralmente para que o risco de lesões seja minimizado. Há por exemplo uma correlação entre a força do músculo glúteo máximo e lesões na panturrilha: se o glúteo estiver fraco ela e o tendão de Aquiles podem ficar mais vulneráveis à uma lesão.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com

EuAtleta Raquel Castanharo Fisioterapia Especialista (Foto: EuAtleta)

RAQUEL CASTANHARO
Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá. Trabalha com fisioterapia e avaliação biomecânica em São Paulo e Jundiaí. www.raquelcastanharo.com.br

Comentários Facebook

Esporte e Saúde

Homem é detido por tentativa de furto de fiação elétrica no Mini Estádio Monte Líbano

Publicado

Mini estádio Monte Líbano- Foto: Ilcimar Aranhas/ Cidade Nos Esportes

Policiais militares de Rondonópolis (a 212 km de Cuiabá) prenderam na madrugada desta terça-feira (31.03), um homem por tentativa de furto, no bairro Monte Líbano.

Conforme o boletim de ocorrência, a denúncia via 190 relatava que um homem estaria tentando furtar a fiação elétrica do estádio.

No local, os policiais encontraram o homem escondido entre as arquibancadas. Ele alegou que estava no estádio para dormir, porém, os policiais perceberam que o suspeito carregava uma alavanca de ferro.

Na vistoria, os agentes encontraram as caixas de eletricidade dos postes dos refletores danificadas e os fios de energia e a tela de proteção cortadas.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte e Saúde

Britânico passa por reconstrução facial após confundir tumor na pele com espinha

Publicado


Britânico Colin Davies passou por reconstrução facial após  câncer de pele
Reprodução/Daily Mail

Britânico Colin Davies passou por reconstrução facial após câncer de pele

Um homem foi submetido a uma reconstrução facial após confundir um tumor cancerígeno com uma simples espinha em sua cabeça. De acordo com o Daily Mail
, Colin Davies, de 66 anos, procurou ajuda médica após perceber que o caroço em sua testa estava crescendo com o passar do tempo, descobrindo, assim, que tinha câncer de pele
já em estágio avançado.

Leia também: Conhece a harmonização facial? Conheça todos os detalhes

Davies relatou que, no início, não se preocupou com a pequena ‘bolinha’ vermelha que se alojou em sua testa, e que só procurou por um especialista ao notar um crescimento fora do comum no caroço, que ficou do tamanho de uma uva. Em pouco tempo, o câncer de Colin tomou conta de seu corpo, espalhando-se pelo pescoço, mandíbula, orelha e ombro direito, fazendo com que realizasse um procedimento de reconstrução facial
que durou 13 horas em uma clínica de Hartlepool, na Inglaterra

Reconstrução facial e o período de recuperação de Colin

O britânico explicou que, devido ao avanço do câncer de pele, teve grande parte de seu rosto removido. Ele também sofreu a perda do couro cabeludo, que foi substituído por uma placa de acrílico e um enxerto de pele retirado da perna, passando ainda por dois meses de radioterapia intensiva para erradicar o câncer.

Leia também: Pela primeira vez, EUA aprovam uso de medicamento à base de maconha

Depois de lutar contra 21 tumores durante 25 anos, o idoso decidiu compartilhar sua experiência a fim de motivar e encorajar pessoas que estão passando pela mesma situação que viveu. Atualmente, livre do câncer, Colin se descreveu otimista e muito animado para o futuro.


Colin, de 66 anos, retirou 21 tumores de seu corpo
Reprodução/Daily Mail

Colin, de 66 anos, retirou 21 tumores de seu corpo

“Se o caroço não tivesse crescido, talvez passasse despercebido. Eu poderia ter morrido aos 41 anos se não fosse um bom observador. Lutei contra o câncer de pele por mais de 25 anos, passei por muitos momentos complicados, e finalmente posso afirmar que estou livre disso. Agora, quero contar a minha história para que as pessoas se cuidem e tenham em mente que não são invencíveis”, disse.

Davies alegou que apesar de ter conseguido reverter o quadro de câncer de pele, continuará com os cuidados e evitará ao máximo a exposição ao sol
, já que isso pode fazer os tumores retornarem.  

Leia também: Britânico sem órgão sexual ganha ‘pênis biônico’ após passar por 15 cirurgias

“Meu médico suspeita que meus anos de juventude, quando pescava abaixo do sol forte, podem ter influenciado na propagação da doença. Demorei dois anos para ser diagnosticado de fato, só sentia meu rosto dolorido e coçando. Depois desse período, perdi grande parte dele, e por isso tive que passar por uma reconstrução facial
e por implantes de próteses do meu canal auditivo. No momento, estou bem, e quero conscientizar as pessoas sobre os riscos e os cuidados que devemos ter com o câncer de pele”, concluiu.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana