conecte-se conosco


Esportes

Maracanã: as boas e más lembranças do futebol brasileiro

Publicado

source

“Córner contra o Uruguai no último instante da luta. Terminou o tempo pelo meu Omega e vai agora um córner contra o Uruguai. Há descontos ainda. Cobrou Friaça, cabeceou Jair… marcou o juiz, entretanto, o final da peleja. Terminou o jogo com a vitória do Uruguai. Uruguaios campeões mundiais de futebol de 1950, reconquistando o título que haviam obtido em 1930 e perdido depois para a Itália. Desolação natural da torcida aqui no Estádio do Maracanã”.

Assim foi encerrada a transmissão da primeira derrota do Brasil no Maracanã, na voz de Antônio Cordeiro, pelas ondas da Rádio Nacional. Muitos torcedores até hoje entendem que o Maracanazo jamais foi superado, deixando no “Maior do Mundo” a marca eterna da tragédia.

Injustiça. Aos 70 anos, o Maracanã merece o reconhecimento por ter sido palco de grandes conquistas internacionais por brasileiros. Clubes e seleções mostraram, ao longo da história, que o estádio é sinônimo de vitória.

A começar pelo Santos. Primeiro em 1962, ao derrotar o Benfica, no Rio de Janeiro, por 3 a 2, no jogo de ida da final do Mundial Interclubes – o título foi confirmado em Lisboa, com um 5 a 2 sobre os Encarnados. Depois, em  1963, mas com pitadas de emoção. O Milan, da Itália, jogava pelo empate e vencia por 2 a 0. Sem Pelé, Zito e Calvet, o título mundial estava praticamente na mão dos Rossoneros. Na volta do intervalo, o tempo fechou e o céu limpo deu lugar a um dilúvio. E o Santos virou: 4 a 2, com gols de Pepe (2), Almir Pernambuquinho e Lima. No jogo-desempate, de novo no Maracanã, Dalmo, de pênalti, fez o único gol da partida.

Maracanã,Times do Santos e Benfica na Copa Intercontinental de 1962 Maracanã,Times do Santos e Benfica na Copa Intercontinental de 1962

Equipes do Santos e Benfica, minutos antes do início do jogo ida da final do Mundial Interclubes de 1962, no Maracanã  – Arquivo Nacional

 

Em seu canal no Youtube, Pepe explicou sua relação com o estádio.

“A minha história cresceu nos jogos contra o Milan, no Maracanã. Eu joguei, digamos, umas 300 partidas na Vila Belmiro e umas 20 no Maracanã. Logicamente eu preferia jogar na Vila, mas escolhemos o Rio de Janeiro para enfrentar o Milan, como havíamos escolhido para enfrentar o Benfica no ano anterior. Os cariocas adoravam o Santos Futebol Clube e lotaram o Maracanã para nos ajudar nestas duas conquistas inesquecíveis”.

Em 2000, o Corinthians também conquistou um Mundial no Maracanã. A situação era bem diferente da do Santos, pois jogava fora de casa, mas contra o Vasco, outro time brasileiro e mais conhecedor do estádio. O Timão conseguiu segurar o ímpeto da dupla Romário-Edmundo e, nos pênaltis, após cobrança para fora de Edmundo, o time paulista ergueu a taça.

Os bons momentos da nossa seleção

E a Seleção Brasileira? Será que superou o trauma de 1950, quando Ghiggia calou o Maracanã? Em outro 16 de julho, 30 anos depois, Romário fez o estádio explodir contra o mesmo Uruguai, na final da Copa América O time do contestado técnico Sebastião Lazaroni parecia ter dado fim ao fantasma do Maracanazo.

O “capitão” Ricardo Gomes, logo após o apito final, desabafou em entrevista ao repórter Tino Marcos, da Rede Globo. “É um presente para o pessoal do passado e esperança para a torcida de agora. É uma satisfação trabalhar com esse grupo maravilhoso. Saímos de um clima totalmente adverso, mas com muita união se apresentou uma seleção vitoriosa que vai dar muita coisa para a torcida.”

Ouça na Rádio Nacional

 

Ricardo Gomes estava certo, pois a Seleção de 1989 foi a base da conquista do tetracampeonato mundial, em 1994, nos Estados Unidos. E por falar nos EUA, como esquecer o Pan-Americano de 2007 e a goleada de 5 a 0 da Seleção Brasileira Feminina sobre as norte-americanas? A derrota na final dos Jogos Olímpicos de Atenas estava entalada na garganta. Mais de 70 mil torcedores lotaram o Maracanã para ver o show com dois gols de Marta, outros dois de Cristiane e mais um de Daniela Alves que falou dessa emoção em depoimento à CBF TV.

“Eu lembro e sempre vou lembrar de todos os detalhes. Em uma quinta-feira, ao meio-dia, mais de 70 mil pessoas no Maracanã. É marcante. Eu tenho uma foto com o estádio lotado. E a gente ficava uma chamando a outra durante o jogo, ficamos impressionadas com o estádio lotado e fazendo a ‘ôla’. Só pra nós. Não tinha o masculino, depois ou antes da gente. Só éramos nós naquela final, e as pessoas foram lá prestigiar. Dentro de casa a final e no Maracanã, um estádio enorme. Foi marcante pra sempre”.

Pan 2007 - RJ - Brasil 5x0 Estados Unidos, seleção feminina Pan 2007 - RJ - Brasil 5x0 Estados Unidos, seleção feminina

Na semifinal do Pan-Americano no Maracana, as brasileiras golearam as norte-americanas por 5 a 0  – Rafael Ribeiro/CBF/Direitos Reservados

 

Ainda em 2007, a Seleção Brasileira Feminina fez história com a segunda colocação na Copa do Mundo da China, após eliminar os Estados Unidos na semifinal com outra goleada, 4 a 0. Na final, perdemos para a Alemanha por 2 a 0.

Os alemães, aliás, também têm boas lembranças do Maracanã. A Copa de 2014 no Brasil chegou embalada pelo título da Copa das Confederações, que a Seleção Brasileira havia conquistado no Maracanã no ano anterior. Mas, no Mundial, o time de Felipão nem pôs os pés no Maraca – foi eliminado nos 7 a 1, no Mineirão, pelos alemães. E o “Mário Filho” serviu de palco para o quarto título deles numa Copa: 1 a 0 sobre a Argentina, na prorrogação.

O Maracanã tentou amenizar a dor dos brasileiros dois anos mais tarde, no reencontro com a torcida em uma nova decisão. Agora, por um título inédito: o dos Jogos Olímpicos, com direito a uma medalha de ouro para o futebol masculino na Rio 2016. Mais uma vez, o Templo do Futebol estava lotado para ver uma seleção desacreditada, com resultados ruins no início do torneio. Depois do empate de 1 a 1 com a Alemanha no tempo normal e na prorrogação, finalmente veio a sonhada vibração: gol de Neymar, de pênalti, vitória do Brasil por 5 a 4.

Nossas vitórias no Maracanã, como a da Copa América de 2019, não vão acabar. E o estádio sempre vai estar de braços abertos para os brasileiros. Que venha a próxima taça.

 

Edição: Sergio du Bocage e Cláudia Soares Rodrigues

Comentários Facebook

Esportes

Barcelona vence Leganés e se distancia na liderança do Espanhol

Publicado

source

O líder do Campeonato Espanhol não foi brilhante, mas na volta ao Camp Nou, venceu. No confronto desta terça-feira (16) contra o último colocado da tabela, o Leganés, o Barcelona fez 2 a 0, em partida válida pela 29ª rodada da La Liga. Ansu Fati e Lionel Messi marcaram os gols da vitória, que levou o time catalão aos 64 pontos, cinco a mais do que o segundo colocado, Real Madrid, que vai jogar quinta-feira (18) contra o Valencia.

O placar foi aberto aos 42 minutos do primeiro pelo jovem africano Ansu Fati, de 17 anos. Nascido em Guiné-Bissau, ele é naturalizado espanhol. No segundo tempo, coube ao artilheiro da La Liga, o argentino Messi, ampliar o marcador. O camisa 10 do Barça, de pênalti, chegou ao gol de número 21 na competição pelo 12º ano consecutivo. Foi o gol de número 699 na carreira do argentino.

Esta foi a segunda rodada do Espanhol após três meses de paralisação por conta do novo coronavírus (covid-19). No início da partida, no estádio Camp Nou, houve um minuto de silêncio em homenagem às 27.136 vítimas fatais da pandemia no país.

Edição: Sergio du Bocage

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Bayern de Munique vence Werder Bremen e conquista o octacampeonato

Publicado

source

Com duas rodadas de antecedência e emoção no fim da partida, o Bayern de Munique conquistou na tarde hoje (16) seu oitavo título alemão consecutivo. Os bávaros precisavam de uma vitória simples fora de casa contra o Werder Bremen para levantar a taça, e não decepcionaram: 1 a 0 com gol do artilheiro Robert Lewandowski.

Os visitantes partiram pra cima logo no início do jogo. Aos três minutos, Davies cruzou na área, mas Gnabry acabou não alcançando a bola. O Werder Bremen melhorou e conseguiu controlar as ações adversárias, pelo menos até os 20 minutos do primeiro tempo. Foi quando um temporal desabou sobre o vazio Werestadion, empolgando o líder da Bundelisga, que começou a massacrar a equipe adversária. Aos 22 minutos, Coman teve oportunidade de cabeça após cruzamento de Müller. Três minutos depois, Kimmich chutou na trave. A pressão não parou até o gol sair.

Como não era incomodado, o Bayern passou a ser só ataque, até que o zagueiro Boateng encontrou Lewandowski sozinho na área. O polonês dominou e tocou na saída do goleiro para abrir o placar.

Na segunda etapa, o Bayern continuou muito superior e controlou a partida até os 33 minutos, quando o lateral-direito Davies recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Lutando contra o rebaixamento, o Werder Bremen precisava atacar. O dono da casa pressionou, acuou o adversário e só não empatou devido a uma defesa milagrosa de Manuel Neuer aos 44 minutos. Bartels cruzou pela direita e Osako desviou de cabeça no canto direito. O goleiro voou para garantir o octacampeonato do Bayern de Munique e começar a festa no estádio adversário.

Apesar da conquista, o título alemão não foi fácil. O Bayern começou mal a temporada com o técnico Niko Kovac. Após sofrer uma goleada de 5 a 1 para o Eintracht Frankfurt, o treinador croata foi demitido. Hans-Dieter Flick assumiu interinamente e oscilou no início. Com o tempo, o time encaixou e chegou ao título com 17 vitórias e um empate nas últimas 18 rodadas da Bundesliga. No próximo sábado (20), às 10h30 (horário de Brasília) o agora octacampeão recebe o Freiburg, na Allianz Arena.

 

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana