conecte-se conosco


Estadual

Duplas classificadas para Olimpíadas 2020 vencem Circuito Brasileiro em Cuiabá

Publicado

Premiação feminina - Ana Patrícia e Rebecca ao centro
A | A

Nesse domingo (27.10) Cuiabá se despediu do Circuito Brasileiro Open depois de acompanhar de perto as partidas entre as melhores duplas de vôlei de praia do país. Foram cinco dias de disputas que consagraram as duplas classificadas aos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 como campeãs da segunda etapa da temporada. Alison/Álvaro Filho (ES/PB) e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) brilharam na arena montada no estacionamento do Ginásio Aecim Tocantins e conquistaram os títulos dos naipes masculino e feminino, respectivamente.

Futuras representantes do Brasil nas Olímpiadas, Ana Patrícia e Rebecca ficaram com o ouro ao superarem na decisão Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ) por 2 sets a 1. Um pouco antes, a dupla Alison e Álvaro Filho, também garantida em Tóquio-2020, já havia conquistado a medalha de ouro ao vencer na final André/George (ES/PB) por 2 sets a 0. A medalha de bronze ficou com Tainá e Victoria (SE/MS) no torneio feminino, e no masculino, com Ricardo e Vitor Felipe (BA/PB).

Alison e Álvaro comemoram o título 

O forte calor da cidade cuiabana foi um dos principais desafios da competição, de acordo com o campeão Alison Mamute. “O calor aqui é diferenciado, a gente teve que ter bastante calma e consciência do que estava acontecendo, então a gente soube lidar muito bem com isso, para superar esse desafio, suportar isso com calma, afinal estava calor pra todo mundo”.

Em compensação, Alison, que conquistou o título também em 2012 em Cuiabá, não poupa elogios à torcida mato-grossense. “É maravilhosa. O pessoal daqui é muito receptivo, apoiou todos os times, não desrespeitou ninguém, torceu por todo mundo por um voleibol melhor, é isso que aconteceu. Parabéns Cuiabá, parabéns para o seu povo!”, declara.

Com entrada gratuita durante todos os dias, o público pôde acompanhar os jogos que aconteciam durante a manhã, com intervalos no período mais quente do dia, e retorno no final da tarde, prosseguindo até a noite. Durante as finais realizadas na manhã de domingo, o sol quente também não abalou a animação da torcida nas arquibancas.

“Pela emoção”, foi assim, rápida e direta, que a torcedora Célia Andréia explicou o motivo  de estar ali assistindo ao vivo as partidas de vôlei de praia. Ela, que participava da festa junto com os três netos, enaltece a vinda do evento para Cuiabá. “Comecei a descobrir como é bom torcer acompanhando meus netos, atletas de judô. Daí eu gostei, parece que a gente volta a ser criança e volta outra pessoa pra casa. É ótimo que o Estado incentive isso”,

A torcedora Célia Andréia e seus netos

Realizado pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), o Circuito Brasileiro Open é a principal competição do calendário nacional do vôlei de praia. Para sua efetivação na capital mato-grossense, a Confederação contou com o apoio local do Governo do Estado, por meio Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), cuja contrapartida foi a disponibilização do espaço e da estrutura do evento.

Para o governador Mauro Mendes, é um dever do Estado fazer esse tipo de investimento para oferecer lazer e esporte como política pública à sociedade. “Grandes eventos esportivos dão visibililidade ao Estado, criam uma aura positiva em torno do esporte, motivam os jovens e cria também entretenimento e lazer pra nossa população. O investimento no esporte é muito barato perto do retorno que traz”, explica o governador.

Governador Mauro Mendes e o secretário da Secel, Allan Kardec, na entrega das medalhas

E a expectativa é de que a população continue usufruindo do espetáculo e dos benefícios proporcionados por eventos e programas na área esportiva. Conforme o titular da Secel, Allan Kardec, a gestão deve prosseguir com ações em que a política pública de esporte e lazer seja aproveitada para trazer ganhos à população e ao Estado.

“Mais do que impactos positivos diretos, a cobertura da competição permitiu que Mato Grosso fosse visto por todo o país e pelo mundo. Com um custo baixíssimo, alcançamos uma publicidade muito boa. E ainda cumpre um papel social ao possibilitar que alunos de várias escolas públicas, como a Rafael Rueda do Pedra 90, estivessem por aqui pertinho desses grandes jogadores. Por tudo isso, pela função social, pelo estímulo à prática esportiva, queremos continuar proporcionando ações, eventos e programas  por meio do esporte”, conclui o secretário da Secel.

Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia

A etapa realizada em Cuiabá foi a segunda do Circuito Brasileiro neste ano e pontua para o ranking da temporada 19/20 que premia os campeões gerais. A estreia do tour aconteceu em Vila Velha (ES), em setembro, com ouro para Ágatha/Duda (PR/SE) e André Stein/George (ES/PB).  Após Cuiabá, o torneio segue para Ribeirão Preto (SP), em novembro. Já as etapas de 2020 passarão por João Pessoa (PB), Maceió (AL), Aracaju (SE) e Rio de Janeiro (RJ).

Cada etapa do Circuito Brasileiro distribui R$ 46 mil às duplas campeãs dos dois naipes, e todos os times na fase de grupos são premiados. Ao todo, são distribuídos mais de R$ 500 mil por etapa.

Os jogos também foram exibidoss pelo Facebook da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), pelo site voleidepraiatv.cbv.com.br e pelo canal SporTV.

Comentários Facebook

Estadual

Torcedor já pode adquirir ingressos para assistir União E.C x Boa Esporte pela 2ª Fase do Brasileiro Série D

Publicado

Neste sábado (11.09) às 15h00 o no Estádio Luthero Lopes, o União recebe o Boa Esporte-MG na primeira partida válida pela 2ª fase do Campeonato Brasileiro da Série D.

O torcedor poderá adquirir o ingresso no valor de R$60,00 e meia entrada R$30,00, no CT do União em horário comercial.

Serão obedecidos todos os protocolos de segurança, como o uso de máscara, apresentação da carteirinha de vacinação, distanciamento e álcool gel.

Abertura dos portões do estádio será às 13h30.

Comentários Facebook
Continue lendo

+ Esportes

Com atleta de Mato Grosso, Brasil conquista ouro inédito na Paralimpíada de Tóquio

Publicado

Foto por: Divulgação

Mais do que o nome de craque que carrega, Romário Diego Marques, mato-grossense de coração, agora ostenta a inédita medalha de ouro com a seleção masculina de goalball, na Paralimpíada de Tóquio, que ocorre no Japão. Capitão do goalball brasileiro, Romário disputa Jogos Paralímpicos pela quarta vez.

“Estamos muito orgulhosos de ter o integrante de uma equipe mato-grossense na seleção brasileira, e ainda mais orgulhosos com a conquista de um resultado tão expressivo. Além de muitos gols que o Romário marcou durante toda a competição, ele foi peça fundamental pela experiência. Assim, ganha o Brasil, ganha Mato Grosso, ganham as pessoas com deficiência. Agora é esperá-lo voltar para casa para poder entregar os prêmios Participação Olímpica e Medalha Olímpica, do Projeto Olimpus. Muito merecidos, por sinal”, diz Jefferson Neves, secretário adjunto de esporte da Secel.

No currículo, o craque, ala da seleção brasileira, dono da camisa numero 6, conquistou medalha de bronze nos Jogos Paralímpicos de Verão de 2016, no Rio de Janeiro, após derrotar a Seleção Sueca de Goalball por 6 a 5. O atleta tem ainda os ouros nos jogos Parapan-Americanos de Guadalajara, em 2011, de Toronto, em 2015, e no Mundial da IBSA, na Finlândia, em 2014. Além disso, Romário também conquistou prata nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2016.

Romário esteve presente nas principais conquistas do goalball masculino brasileiro, como no título mundial em 2014, a prata nos Jogos Paralímpicos Londres 2012 e os dois ouros nos Jogos Parapan-Americanos, em Guadalajara 2011 e Toronto 2015.

Projeto Olimpus

O Projeto Olimpus garante aos esportistas de Mato Grosso o Prêmio Participação Olímpica, que oferece recompensa em dinheiro por participação nas Olimpíadas e Paraolimpíadas de Tóquio. São R$ 30 mil reais para cada atleta e paratleta classificado para as competições mundiais. Para os técnicos convocados a premiação é de R$ 10 mil.

Ainda tem o Prêmio Medalha Olímpica, em que os participantes mato-grossenses têm a chance de receber R$ 100 mil se forem medalhistas olímpicos, independentemente se de bronze, prata ou ouro. No caso de técnico medalhista, o prêmio é de R$ 30 mil.

O Projeto Olimpus atende hoje 151 atletas profissionais e de base em diversas categorias, 40 treinadores e investe mais de R$ 3,2 milhões no incentivo às práticas esportivas em Mato Grosso.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana