conecte-se conosco


Entrevistas

Entrevista Árbitro Amazonas

Publicado

Comentários Facebook

Destaque

ENTREVISTA: Professor Adones da escolinha de futebol do Jardim Atlântico.

Publicado

Professor Adones- Foto: Ilcimar Aranhas/Cidade Nos Esportes

Adones de Souza Magalhães, 65 anos, chegou em Rondonópolis no ano de 1996, transferido do corpo de bombeiro de Cuiabá, 1998 aposentou. Em seguida foi convidado pelo então prefeito Dr. Alberto de Carvalho, na época para trabalhar no programa  “Chané”, com as crianças do Bairro Jardim Atlântico.

Com o passar do tempo o projeto acabou e ficaram muitas criança ociosas, com uma brilhante ideia e preocupado com o futuro das crianças, Adones conversou com sua esposa e resolveu montar a escolinha de futebol. Mesmo assim não foi fácil, pois muitas pessoas não acreditavam que o projeto iria funcionar sem apoio do município, há 17 anos o projeto funciona formando cidadãos. “A vontade de fazer é para não ver seus filho e nem o do próximo jogado nas ruas” disse Adones.

ENTREVISTA:

CNE: Como  o Senhor  vê o apoio e o esporte em geral em Rondonópolis?

Tenho esperança nesta administração José Carlos do pátio e secretário de esporte Jailton Nogueira, nos já nos reunimos com o secretário em busca de apoio. Mas espero também o apoio dos vereadores de Rondonópolis. Na gestão passada de Percival Muniz eu não tive apoio, o apoio recebido só foi o campo de futebol, mais tenho muita esperança nesta gestão atual, não quero que olhe para mim e sim para as crianças e que me ajude para que eu possa ajudar as crianças também.

CNE: Quando iniciou o projeto da escolinha não tinha uma associação, depois que criou o que mudou?

No inicio realmente não tinha associação, até mesmo os campeonatos não tinha carteirinha, documentação, não tinha nada, única coisa que apresentávamos era a certidão de nascimento. Depois da criação da associação, melhorou porque hoje se exige documentos, para jogar tem que ter carteirinha e registo na associação, queremos melhorar, a associação foi criado para isto mesmo, regularizar a situação das escolinhas e alunos, pois impede muitas falcatruas nas documentações.

CNE: Através das escolinhas que surge jogadores para o futebol profissional e ouras áreas, quais jogadores o senhor lembra que já saíram da escolinha e são exemplos lá fora?

São tantos, que nem lembro muito de todos, mas alguns podem falar Vinicius que passou pelo REC e depois foi para o FLUMINENSE, Gabriel Moraes, Henrique, Gabriel Henrique, Danilo(Toddy), são os que jogam fora hoje. Já na equipe do União Esporte Clube, tem o Murilo, Vinicinho, são jogadores que não despreza nós, quando chega de fora os daqui mesmo, vem visitar nós, mostrando respeito pelo nosso trabalho.

CNE: Destaque um fato que alegra o senhor e outro que lhe deixou triste?

O que me alegra e trabalhar com as crianças e ver elas seguindo no caminho certo, hoje da orgulho de ver alunos que saíram daqui e trabalham em mercados, bancos, lojas, assim tem vários, o tempo passa que as vezes nem conhecemos os alunos, mas eles nos conhecem e nos cumprimentam, tenho a gratidão quando eles nos chama “O Professor” e não sabemos quem é, ai identificam eu sou fulano de tal, ai me lembro, isto é o que nos alegra, poder contribuir com eles na formação do cidadão.

O que me deixa triste quando a criança sai daqui e vê elas no mundo das drogas, isto me deixa triste, e realmente já passei por isto.

CNE: O senhor hoje esta com  65 anos, já teve varias experiência de vida tanto aqui na escolinha como fora também, já passou por varias situações, como vê a politica ligado ao esporte ?

È assim, para falar a verdade o esporte não esta sendo bem visto, principalmente quando se trata de criança, mas se olhar o futebol amador, profissional, pessoal investe muito no profissional e amador, mas não investe na criança, ai que tinham que investir, é desta criança que será o futuro do País, é uma complementação da educação deles, é desta criança que será um cidadão de bem, pois tem que se investir neles para formação futuro.

CNE: Por que os pais devem matricular seus filhos nas escolinhas de futebol?

Às vezes a criança quer jogar futebol e o pai proíbe, isto aqui é uma complementação deles na educação, é ajudar a família, no mundo de hoje os pais trabalham às vezes os deixam sem atividades, já aqui não eles vêm e são monitorados. La na rua é uma isca para o caminho do mau.

CNE: O senhor é evangélico, qual a importância  do trabalho espiritual com as crianças?

Através da palavra de Deus, nós podemos mostrar educar a criança também a seguir o caminho da salvação, não temos só este trabalho aqui não, toda segunda-feira reunimos em uma chácara, pai, mãe e filho com outras atividades como crochê, costura, os filhos jogam bola, e ao final além das orações feitas é um momento de aproximação da família e com Deus.

CNE: Das varias conquistas que o senhor teve nas competições com a escolinha, qual foi a que mais emocionou?

Sim, quando nos fomos disputar a Copa Mercosul em Campo Grande-MS, não me lembro o ano, esta turma do Vinicius, Henrique Gabriel Moraes, jogamos e fomos campeão invicto.

Comentários Facebook
Continue lendo

Entrevistas

Entrevista: Jogador Carlos Henrique “Pit bull”

Publicado

Volante Rondonopolitano de 25 anos, Carlos Henrique “Pit bull” iniciou no futebol  Mato-grossense há 15 anos. Pitbull, começou nas categorias da escolinha do Jardim Atlântico, jogou  em vários clubes do Brasil, além de ter rodado por outros clubes do estado de MT, como, União e Vila Aurora.

Em entrevista de bate-bola, o volante, contou ao Cidade Nos Esportes, o por quê quis se tornar jogador, opinou também sobre o Futebol de MT e suas dificuldades.

ENTREVISTA: Carlos Henrique(Pitbull)

Quem é Carlos Henrique? Qual a sua idade, trabalho, sonhos e objetivos?

Sou uma pessoa que ama viver ajudando o próximo e estamos na presença de Deus. 25 anos. Empresário. Ter família abençoando chegar em casa dar beijo  no meu filho e abraço em minha esposa .

Qual sua opinião sobre as ações da política no esporte de Rondonópolis?

A política em Rondonópolis nunca fez muito para esporte da cidade.

Como começou sua vida no Futebol?

Minha vida no futebol começou brincando em escolinha primeira no professor Adones do Jardim Atlântico, depois fui para escolinha do Iguaçu com professor Paulo bagagem, depois Paulo bagagem foi convidado no ano de 2004 para ser treinador das categorias de base do vila Aurora, aí me convidou fazer parte desse projeto fiquei lá no ano de 2004 e 2005 e fui contrato para Clube Atlético rondoniense no ano de 2006. 

Em que clubes você já jogou? Por que escolheu o futebol como profissão?

Fui vice campeão sub 20, naquele ano, acabou Campeonato voltei para Vila Aurora no ano de 2007.

A equipe do Cene/MS me contratou por 6 meses fui para disputar o Sul Mato-grosense sub 20. Voltei para o Vila Aurora e assinei meu primeiro contrato de profissional onde disputei campeonato MT 2008 pela vila Aurora.

No final do contrato acertei minha ida para o União Esporte Clube, mais não foi passagem muito boa seis meses treinando e tratando do meu joelho não tive oportunidade de entra em campo.

 No ano de 2009 fui contrato pela equipe Árabe/MS SAAD Dubai que tinha um centro de treinamento em Mato Grosso do Sul. Fiz bom Campeonato Sul Mato- grossense profissional. Aí no ano de 2010 Voltei em Janeiro assinei contrato por cinco anos com esta equipe, mais tinha compromisso com uma moça e desisti da minha carreira porque achava melhor ficar no Brasil não ir para Dubai.

 Minha família até hoje me questiona está minha decisão , aí voltei para Rondonópolis e comecei jogar futebol amador onde jogo até hoje. Mais no minha quebra de contrato com time de Dubai, eu não poderia jogar profissional até 2015 porque se eu jogasse tinha que pagar multa para clube.

 Neste tempo vários times do Brasil me ligaram para voltar jogar, mais porque eu tinha contrato com o Saad, não poderia. Estou no amador há sete anos de 2010 até agora sou Jogador que mais chegou em final.

Passei primeiro pelo Rivera 3 campeonato 3 final. Passei pelo Iguaçu 4 campeonato 3 final, aí fui para equipe do Agroterra 4 campeonato 3 final. Fui para o Gercad 3 Campeonato 3 final. Logo em seguida passei pelo Simão 3 Campeonato 3 final. Tropical Supermercado 1 Campeonato 1 final.  Joguei no interior amador também neste 7 anos fui Campeão 3 vezes em São José do povo pelo time do Santa Cruz e 1 vez Campeão  de Guiratinga time do Santa Cruz do Loda e vice pelo Santos de Guiratinga e 3 lugar em Poxoreu pelo independente.

Com todo este currículo para qual time joga hoje?

 Neste momento estou no meu time que amo que tenho grande amor e carinho, o Agroterra do meu pai de coração senhor “Wanderlei” .

O que você acha do Futebol Mato-grossense? E futebol amador de Rondonópolis?

Futebol mato-grossense tem muito pra crescer falta investimento para clubes e pessoas sérias para administrar.

Futebol amador também não tem estrutura sobre organização do senhor “Cidao” não tenho que reclamar porque ele sozinho e as autoridades muitas vezes só vai na final se aparecer.

Quais as maiores dificuldades para ser um jogador dentro do MT?

Dificuldade para jogar aqui Mato Grosso é grande, porque não valoriza jogadores da nessa terra.

Qual sua opinião sobre a decadência do Futebol de MT?

Decadência foi falta de pessoas comprometidas em levar futebol a sério como deve ser.

O que o futebol mudou em sua vida?

O futebol me deu oportunidade de conhecer várias pessoas, tive oportunidade de treinar com o jogador Edmilsom ex-Barcelona, que está de férias e iria treinar comigo no MS Saad e vários outros famosos do Brasil.

No ano de 2009 fiz amistoso contra seleção brasileiro pelo MS Saad perdemos de 6 a 0, “risos”, mais curioso foi eu marca Kaka.”risos”, ele é muito lindo e cheiroso “risos”, sempre tive sonho de tornar jogador profissional realizei mais por causa de outra pessoa abandonei, isso vou levar magoa para resto da vida, uma coisa que falo para pessoas, quer ter sonho de se tornar jogador profissional? tem que esquecer mulher e família e ir atrás depois do futuro busca sua família.

Quais seus maiores sonhos e realizações conquistadas através do futebol?

Finalizando eu amo futebol sou uns dos poucos Jogadores que tem amizades com todos times amador, direto convido eles para irem em casa tomar tereré e brincar de vídeo game. No ano passado tive privilégio de trazer jogadores da serie A do brasileiro e serie B e este ano vou trazer 10 serie A para fazer linda festa na minha cidade que amo e pode ajudar pessoas Carentes .

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana