conecte-se conosco


Esportes

Time de críquete de Bangladesh sobrevive a atentado terrorista na Nova Zelândia

Publicado


Equipe de críquete de Bangladesh escapou por pouco do massacre na Nova Zelândia
Reprodução / Instagram

Equipe de críquete de Bangladesh escapou por pouco do massacre na Nova Zelândia

A equipe de críquete de Bangladesh escapou por poucos minutos do atentado terrorista que aconteceu nesta quinta-feira (15) na Mesquita Al Noor, na cidade de Christchurchda, na Nova Zelândia.

Leia também: Serviço de Segurança Federal da Rússia evitou terrorismo na Copa do Mundo 2018

Atrasados, os atletas e membros da comissão técnica naõ estavam dentro da Mesquita durante o ataque, mas viram de dentro do ônibus o massacre acontecer. No local, um atirador australiano matou 49 pessoas e deixou 48 feridas. O ataque terrorista é o maior já realizado na Nova Zelândia

“Os jogadores estavam chorando no ônibus, todos estavam mentalmente afetados”, disse o chefe de equipe Khaled Mashud para a britânica ‘BBC’, que noticiou que um atraso numa entrevista coletiva foi o que impediu que eles estivessem lá dentro no momento do tiroteio.

Nas redes sociais, a equipe de críquete de Bangladesh divulgou que todos atletas e comissão técnica estão bem após o  atentado e já se encontram no hotel.

“Todos os membros da equipe de críquete do Bangladesh, em Christchurch, estão em segurança de volta ao hotel após o incidente na cidade. O Bangladesh Cricket Board (BCB) está em constante contato com os jogadores e com a gerência da equipe e também com o New Zealand Cricke”, diz o texto.

Leia também: Após tragédia no Fla, Grêmio Novorizontino promove treinamento contra incêndio

“Alhamdulillah Allah nos salvou hoje enquanto filmamos em Christchurch na mesquita. Nós somos extremamente sortudos. Nunca queremos ver essas coisas acontecerem novamente. Ore por nós”, escreveu o atleta Mushfiqur no Twitter.

Leia também: Horas antes de jogo da Champions, torcedores do Lyon enfrentam polícia catalã

A equipe de Bangladesh realiza turnê pela Nova Zelândia , mas devido ao trauma psicológico deixado pelo ataque, a partida que aconteceria nesta sexta-feira (15), em Christchurch foi cancelada.

Comentários Facebook

Esportes

Bicampeão com a escuderia, Niki Lauda é homenageado pela Ferrari em museu

Publicado


niki lauda
Reprodução

Nikki Lauda foi bicampeão com a Ferrari nos anos 1970

Niki Lauda foi um dos maiores pilotos da história da Fórmula 1 e isso não dá para negar, ele deixará saudades aos fãs e às escuderias do automobilismo.

Leia também:  Williams anuncia britânica líder da W Series como piloto de desenvolvimento

Bicampeão com a Ferrari , Niki Lauda recebeu uma homenagem simples e emocionante no museus da escuderia italiana. Na sessão em que estão expostos todos os carros que já foram campeões da Fórmula 1 no Museu Maranello, as luzes foram apagadas e iluminaram apenas a Ferrari 312T com que Lauda venceu o campeonato de 1975.


homenagem da ferrari
Reprodução

Ferrari iluminou o carro em que Niki Lauda venceu seu primeiro mundial de pilotos na F1

O carro tem um significado importante para a equipe, já que o pódio de Niki Lauda rompeu uma série de 11 anos que a Ferrari não vencia um campeonato na F1. O último título tinha sido em 1964 com o britânico John Surtees.

O austríaco de 70 anos, que faleceu no último dia 20 de maio , venceu por três oportunidades o mundial de pilotos da Fórmula 1 . Nos anos de 1975 e 1977 ele conquistou o troféu correndo pela Ferrari, já em 1984 o caneco veio com a McLaren.

Leia também:  Consórcio Rio Motorsport construirá autódromo do Rio de Janeiro; veja mais

Niki Lauda somou 52 pódios em sua carreira, sendo 24 pole positions e 25 vitórias. Encerrou sua carreira nas pistas em 1985. Trabalhou com aviação por um tempo antes de retornar à F1 como consultor técnico extraordinário da Ferrari nos anos 1990. Também atuou como diretor na Jaguar e Mercedes.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

CSA não perdoa indisciplina de trio gringo e demite Pablo Armero

Publicado


Torcida do CSA
Reprodução/Instagram

O CSA não perdoou a indisciplina de Armero e o afastou do elenco do clube.

Nesta tarde, a diretoria do CSA definiu o destino do trio de estrangeiros do clube, composto por Armero, Maidana e Manga Escobar. Em nota publicada hoje, a diretoria do time alagoano confirmou que o colombiano Pablo Armero não faz mais parte do elenco da equipe. Os outros gringos foram multados, mas segurião atuando no clube. Confira a nota abaixo:

“O Centro Sportivo Alagoano comunica que, depois do clube tomar conhecimento dos últimos fatos com os atletas Maidana, Manga Escobar e Pablo Armero, tomou a decisão de multar os três atletas em 20%, e afastar o Pablo Armero do seu quadro de funcionários após um entendimento amigável. Maidana e Manga Escobar seguem seus respectivos trabalhos no CSA

Leia também: Trio de estrangeiros deverá deixar o CSA após mau comportamento

A decisão do CSA vem após o trio de jogadores ter sido flagrado por torcedores em um bar na véspera do embarque da equipe para Porto Alegre, onde enfrentaria o Internacional. Maidana e Manga estavam machucados e não seguiriam com o clube.  Já Armero estava relacionado para o jogo que seria disputado.

O trio inteiro foi multado em 20% do salário. Porém, apenas o lateral colombiano foi desligado do CSA . Aos 32 anos, Armero chegou no clube alagoano este ano e disputou apenas quatro partidas, sem marcar nenhum gol. Já Maidana e Manga serão aproveitados pela comissão técnica assim que se recuperarem das lesões que os afastaram dos gramados.

Comentários Facebook
Continue lendo

Ouça Agora

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana