conecte-se conosco


Esportes

Stephen Curry se torna o terceiro com mais bolas de três na história da NBA

Publicado


Stephen Curry se tornou o terceiro jogador com mais bolas de três na história
Reprodução

Stephen Curry se tornou o terceiro jogador com mais bolas de três na história

Um dos maiores jogadores da atual geração, Stephen Curry atingiu mais uma marca histórica em sua carreira nesta sexta-feira (11) ao se tornar o terceiro maior pontuador de bolas de três da história da principal liga de basquete dos Estados Unidos e do mundo.

Leia também: Astro do Warriors, Stephen Curry diz não acreditar que o homem já foi à Lua

O Golden State Warriors derrotou o Chicago Bulls por 146 a 109, e com as cinco bolas de três anotadas em 11 tentativas, Curry chegou a 2.285 em sua carreira, ultrapassando Jason Terry (2282). A média do armador, que soma 656 partidas, é de 3,47 bolas do perímetro por jogo.

Para se tornar o maior arremessador de três da história, Steph terá que ultrapassar ainda Ray Allen, que anotou 2.937 bolas em 1.300 jogos, com uma média de 2,25 por partida, e Reggie Miller, que em 1.389 aparições, anotou 2.560 bolas de três, uma média de 1,84 por partida. 

Leia também: Curry quer mudança em vendas de seus tênis após reclamação de menina de 9 anos

Outro feito do armador nesta temporada foi o de ter batido um recorde que já durava 22 anos na NBA, acertando cinco ou mais cestas de três pontos em seis partidas consecutivas. O recordista anterior foi George McColud, aposentado desde 2002, quando defendeu o Denver Nuggets.

Curry atingiu a marca em partida contra o New York Knicks, quando acertou seis arremessos em 10 tentativas, comandando a vitória dos Warriors.

Em fevereiro de 2013, Curry obteve seu melhor desempenho até hoje na NBA marcando 54 pontos contra o Knicks. Ele acertou 11 arremessos de três em 13 tentativas.

Confira alguns dos feitos de Curry em sua carreira

  • Em abril de 2014, marcou 47 pontos contra o Blazers com sete triplos;
  • No ano seguinte venceu pela primeira vez o prêmio de MVP e, em fevereiro, marcou 51 pontos contra o Mavericks sendo 10 cestas de três pontos em 16 tentativas;
  • Na noite de Halloween de 2015, Curry fez 53 pontos contra o Pelicans. É a segunda melhor marca de sua carreira;
  • Em fevereiro de 2016 marcou em dois jogos 51 pontos e, contra o OKC Thunder arremessou uma bola de três de nove metros para vencer a partida. Neste dia, ele fez apenas 46 pontos, mas seu desempenho é sempre lembrado pela última bola;
  • Ano passado ele bateu o recorde de cestas de três em uma única partida: 13 de 17 tentativas.

Leia também: Veja o vídeo do exato momento do acidente de carro do astro Stephen Curry

A carreira do armador, de 31 anos, é incrível até aqui, com direito a dois prêmios de MVP, dado ao melhor jogador da temporada. Será que em 2019 Curry fatura o troféu mais uma vez? Deixe sua opinião nos comentários.

Comentários Facebook

Esportes

Dudu reencontra Novorizontino, sua maior vítima desde que chegou ao Palmeiras

Publicado


Dudu comemora gol pelo Palmeiras
Divulgação / Palmeiras

Dudu comemora gol pelo Palmeiras

Pelo terceiro ano consecutivo, o Palmeiras enfrentará o Novorizontino nas quartas de final do Campeonato Paulista. E se tem um jogador que lembra muito bem de todos esses duelos anteriores é Dudu.

Leia também: Com números de 2018, Palmeiras registra a maior arrecadação de sua história

Ídolo e principal jogador do clube alviverde nas últimas temporadas, o camisa 7 foi decisivo tanto em 2017 quanto em 2018 ao balançar as redes nas quatro partidas, fato que faz com que o Tigre do Vale seja, ao lado de Santos e Vitória, a maior vítima de Dudu pelo Verdão.

Como o Palmeiras terminou na liderança do Grupo B, com a segunda melhor campanha geral do Campeonato Paulista , o confronto de ida, a exemplo das duas últimas temporadas, será no estádio Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte.

Em 2017, Dudu iniciou a reação do Verdão no triunfo por 3 a 1, aproveitando uma sobra na área. Já em 2018, de pênalti, o meia-atacante abriu o placar na vitória alviverde por 3 a 0.

O jogo de volta, por sua vez, assim como em 2017, acontecerá no Pacaembu. Há dois anos, Dudu marcou o último gol da vitória por 3 a 0, em belo chute de fora da área. Já em 2018, no Allianz Parque, o camisa 7 fez o quarto tento da goleada por 5 a 0.

Leia também: Palmeiras pode ser rebaixado para Série B por causa do ex-cartola Del Nero


Dudu comemora gol contra o Novorizontino no Paulistão de 2018
Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Dudu comemora gol contra o Novorizontino no Paulistão de 2018

Único jogador do Palmeiras presente na seleção da fase de grupos do Campeonato Paulista deste ano feita pelo site de estatísticas Footstats, Dudu espera ajudar novamente o Verdão a avançar e seguir em busca do seu 23º título estadual.

“Tive a felicidade de marcar gol nos quatro jogos contra eles e isso é ótimo, mas são dados que não entram em campo. Este ano é outro campeonato, outro momento, e a gente sabe que serão duas partidas bem complicadas. O Novorizontino demonstrou muita qualidade no Paulista e não podemos bobear. Eles ganharam do Santos, mesmo fora de casa, e do Corinthians. Temos que entrar focados desde o começo da partida e trazer um bom resultado para São Paulo”, afirmou.

Em sua quinta temporada pelo Palmeiras, Dudu já disputou 240 jogos pelo clube, marcou 56 gols, deu 58 assistências e conquistou três títulos (Copa do Brasil de 2015 e Brasileirão de 2016 e 2018), sempre sendo protagonista.

Leia também: Completando 27 anos, Dudu comemora 1 milhão no Instagram: “melhor fase da vida”

Além disso,  Dudu coleciona uma série de marcas importantes pelo clube, dentre elas, a de jogador com mais partidas (104), gols (27) e assistências (26) no Allianz Parque, artilheiro do Palmeiras no Século XXI e maior goleador do clube no Brasileiro por pontos corridos, com 32 bolas na rede.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Vítima de racismo, Serginho revela: “Minha família quer ir embora da Bolívia”

Publicado


Serginho deixa o gramado após ser vítima de racismo
Reprodução

Serginho deixa o gramado após ser vítima de racismo

O brasileiro Serginho se manifestou pela primeira vez, nesta quinta-feira (21), sobre o ato de racismo que sofreu durante partida do Jorge Wilstermann, seu clube, contra o Blooming, na Bolívia.

Leia também: Presidente do Blooming pede suspensão de brasileiro vítima de racismo na Bolívia

O atacante revelou que o trauma se estendeu até seus filhos, que assistiram o pai sendo vítima de racismo e choraram. Segundo Serginho , a vontade de sua família, no momento, é de deixar o país.

“Minha família em casa, meus filhos, só conseguiam chorar o tempo todo. Tenho um filho de 11 anos e uma filha de 10 que só choravam porque estavam assistindo a partida e sabiam o que estava acontecendo. Quando afeta ao homem nós suportamos, mas quando afeta a nossa família é algo a se repensar (sobre permanência). Eu falei com o corpo diretivo e a verdade é que a minha família quer ir embora da Bolívia , não quer mais ficar”, disse o brasileiro.

Leia também: Brasileiro é alvo de racismo na Rússia: “é ridículo pessoas de cor na seleção”

O camisa 10 do Jorge Wilstermann revelou também que nunca havia passado por algo do tipo, e que tentou ao máximo suportar as ofensas.

“Me chamaram de macaco, que tinha de voltar para a selva. Eu tenho família, filhos. A verdade é que nós suportamos muitas coisas. Eu suportei até onde consegui suportar, pois isso não é algo do futebol. Todos somos iguais, não sou diferente por minha cor de pele ou ser brasileiro. Temos apenas uma raça que é a raça humana. Eu nunca na minha vida tinha passado por isso.

Por fim, Serginho declarou que, por gratidão ao apoio recebido tanto pela diretoria, quanto pela torcida e colegas de time, permanecerá no Jorge Willsterman.

Leia também: Ex-goleiro Jefferson revela ter sido barrado da seleção brasileira por ser negro

“Eu não tenho nada a esconder, eu vou ficar porque amo esse clube. Não tenho que fazer média com ninguém. Desde quando cheguei aqui, o clube, a torcida, meus companheiros sempre me apoiaram, nunca me abandonaram em nenhum momento. Desde quando aconteceu o episódio em 2016 com o Blooming e depois contra o Destroyers eles nunca me abandonaram. Então não será por isso que irei embora”, finalizou o atleta brasileiro vítima de racismo .

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana