conecte-se conosco


Saúde

Segunda maior epidemia de ebola da história já matou mais de 500 no Congo

Publicado


Epidemia de ebola que assola o Congo já é a segunda maior já registrada na história
WHO/S. Hawkey

Epidemia de ebola que assola o Congo já é a segunda maior já registrada na história

Após vencer uma epidemia de ebola no primeiro semestre de 2018, a República Democrática do Congo enfrente um novo surto do vírus desde agosto do ano passado. De acordo com o ministério da Saúde do país, 502 pessoas já morreram, sendo que 441 foram diagnosticadas com a doença e as outras 61 ainda são tratadas como casos suspeitos. 

Leia também: Epidemia de Ebola chega ao fim na República Democrática do Congo 

Ainda de acordo com as autoridades, 271 pessoas conseguiram sobreviver ao vírus da  ebola  desde agosto. Mais 29 casos estão sendo estudados e podem entrar na lista de prováveis infecções pela doença. 

Na média, a ebola mata cerca de metade dos infectados. No surto atual da doença na  República Democrática do Congo , 60% das pessoas não resistiram ao vírus

A epidemia de ebola que atinge o Congo neste momento é a segunda maior e a segunda mais mortal já registrada na história, ficando atrás apenas de um surto que atingiu o oeste do continente africano em 2014, matando cerca de  11,000 pessoas, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ebola atacou o Congo no primeiro semestre de 2018


O período de incubação do ebola é de 21 dias
Thinkstock

O período de incubação do ebola é de 21 dias

Detectada no noroeste do Congo em abril, a epidemia anterior foi tratada em uma ação conjunta da OMS e das autoridades locais. A mobilização resultou na  implantação de uma vacina experimental  contra a doença, que foi ministrada para mais de 3,3 mil pessoas nas áreas de risco.

A ação ajudou a conter o Ebola no Congo, mesmo quando ele atingiu a área de Mbandaka, região de alto risco de contaminação, onde 1,5 milhão de pessoas vivem com a ligações de corrente de ar e de rios com a capital Kinshasa.

De 1º de abril a 3 julho, 54 casos de Ébola no Congo foram confirmados, incluindo 33 mortes. O total inclui 39 casos confirmados laboratorialmente e 15 casos prováveis (pacientes considerados suspeitos para a doença, mas que morreram antes que a coleta de sangue fosse feita). Cinco casos envolveram profissionais de saúde, dos quais quatro foram confirmados e dois morreram.

Leia também: Ebola voltou: entenda como a doença se espalha e por que o vírus é tão temido 

Comumente conhecida como febre hemorrágica do Ebola, essa é uma enfermidade severa e geralmente mortal – com taxa de óbito de até 90%. A doença é causada pelo vírus, que faz parte da família filovírus.

A condição só ficou conhecida em 1976, quando dois surtos simultâneos aconteceram, sendo um em Yambuku, vilarejo próximo ao Rio Ebola, na República Democrática do Congo, e outro numa área remota do Sudão.

Ainda não se sabe exatamente qual a origem do vírus da  ebola  . No entanto, há evidências atuais que sugerem que morcegos comedores de frutas podem ter sido os hospedeiros originais.

Comentários Facebook

Saúde

Fortaleça o quadril com dois exercícios fáceis para o dia a dia

Publicado

Fortalecer o quadril só traz benefícios: postura adequada, estabilidade no tronco e distribuição adequada do peso nos membros inferiores. Deixar essa parte do corpo mais forte beneficia o desempenho na corrida e diversos outros esportes, além de prevenir lesões e dores nas costas.
Fortalecer o quadril traz diversos benefícios para o corpo, como a melhora da postura; confira dois exercícios fáceis

Abaixo, você aprende uma sequência de dois  exercícios fáceis para realizar antes do treino. Pronta para começar?

Exercícios para fortalecer o quadril

Ostra

Antes de começar o treino , deixe de lado o alongamento e aposte em ativar os músculos do quadril e das coxas com esse exercício. Além dos flexores de quadril, os rotadores laterais – glúteo médio e piriforme, usados para movimentos de 360° — também são ativados, conforme explica o fisioterapeuta André, que recomenda uma faixa elástica na altura dos joelhos e três séries com 15 repetições para cada lado.

Ostra
KAGAN MCLEOD

Posição Ostra

Execute: Deite-se sobre o lado esquerdo do corpo, com o quadril e joelho flexionados a 45°. Com uma faixa elástica logo acima dos joelhos (a), contraia o abdômen e lentamente levante a perna direita, mantendo os pés juntos e contraindo ao máximo os glúteos (b). Abaixe a perna, retornando à posição inicial. Essa é uma repetição. Repita do outro lado.

Veja Mais:  Carícias sob o edredom: dicas para uma noite de sexo à la BBB

Postura da cobra

O nome diz tudo. Para esse movimento, é preciso fazer exatamente o contrário do que você faz diariamente, e isso dá um novo estímulo para o corpo. A postura alonga o quadril e pernas ao mesmo tempo que “acorda” os glúteos, tudo isso enquanto expande os ombros e abre o peito. Mantenha a posição por até cinco minutos, ao fim do dia e antes de dormir.

Postura da cobra
KAGAN MCLEOD

Postura da cobra

Execute: Deite de barriga para baixo, pernas estendidas e costas dos pés no chão. Posicione a palma das mãos abertas do lado do corpo, na mesma altura dos ombros, e eleve o tronco, deixando os cotovelos próximos ao corpo. Mantenha a pelve sobre o chão.

Agachamentos, burpees e pontes

Esses movimentos clássicos são a trindade dos quadris saudáveis. A ponte força os músculos da região a se flexionarem ao máximo. O agachamento os contrai e alonga e o burpee força eles a desenvolver controle e estabilidade para se manterem alinhados. Faça de 20 a 50 repetições de cada um por dia.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

O que emagrece mais: esteira ou bicicleta?

Publicado

Esteira ou bicicleta? Quando o assunto é emagrecer, muita gente costuma ficar em dúvida na hora de escolher um dos dois aparelhos. Conversamos com o test trainer César Ribeiro, da ProAction Sports – Acessórios Esportivos, para esclarecer qual das duas, afinal, é melhor para perder peso.

Como emagrecer rápido na academia?

Segundo Ribeiro, em uma comparação entre esteira e bicicleta, a esteira é melhor para perder peso mais rapidamente. “Há muito mais variáveis que podem ser propostas em cima da esteira – inclinação, velocidade, tiros curtos, tiros mais longos, por exemplo. A quantidade de programas que você consegue montar é muito maior do que na bicicleta, em que a única variável é a carga, que depende muito no nível de esforço e de força muscular da pessoa. Na esteira, conseguimos melhores ajustes”, diz ele.

Outro ponto positivo da esteira é que, como o exercício é feito de pé e com o movimento de todo o corpo, uma maior quantidade de grupos musculares é requisitada, fazendo com que mais calorias sejam gastas. Na bicicleta, é preciso de menos movimentação – força-se mais os membros inferiores.

Ribeiro explica que, para emagrecer na academia, é preciso causar “choques” no metabolismo. “Para isso, é melhor que haja alternâncias, que haja mais variedade. E a esteira proporciona isso, muito mais do que a bicicleta”, diz. Ele explica que é importante variar para que o corpo não ‘acostume’. Dessa forma, o gasto calórico é maior e a perda de peso, também.

No entanto, não é que a bicicleta seja ruim ou não emagreça nada: não tanto quanto a esteira, mas, sim, fazer bicicleta emagrece, desde que o exercício seja intenso.

Segundo o personal, é uma ótima proposta para quem tem limitações articulares, como problemas na lombar, no joelho ou no tornozelo, por exemplo. “A bike não sobrecarrega as articulações como a corrida faz. Para quem quer trabalhar com a proposta de variação de carga, pode ser uma boa opção”, esclarece. Outra opção para quem tem problemas articulares nos membros inferiores seria o elíptico.

Esteira emagrece mesmo?

Os “choques” no metabolismo a que Ribeiro se refere, não são atingidos através de caminhada na esteira, que podem até melhorar a condição cardiovascular da pessoa, mas, em termos de perda de peso, serão praticamente irrelevantes. Por isso, para emagrecer e definir, é necessário que a atividade seja mais intensa, mantendo os batimentos cardíacos na zona de queima de gordura. Claro que cada um deve ir no seu ritmo – iniciantes não podem começar a correr como avançados, mas, aos poucos, com a ajuda de um profissional de educação física, dá para ir evoluindo da caminhada para a corrida.

esteira 4 texto

E se fizer a corrida ao ar livre? Correr na rua emagrece? Ribeiro garante que sim, mas que o controle de variáveis como velocidade, inclinação e tempo pode ficar mais complicado de ser feito. Além disso, a esteira absorve melhor o impacto do corpo.

Treino para emagrecer na esteira

O personal dá uma ideia de treinamento para quem já está com condicionamento físico regular: “Você alterna a velocidade de 5 km/h a 8,5 km/h, aumentando a velocidade em 0,5 km/h a cada minuto. Quando chegar nos 8,5 km/h, volta para os 5 km/h e repete até completar 20 minutos de exercício”.

Por Marina Garcia

Comentários Facebook
Continue lendo

Ouça Agora

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana