conecte-se conosco


Esportes

River Plate se recusa a jogar final da Libertadores no Santiago Bernabéu

Publicado


Boca Juniors e River Plate empataram a primeira partida da final em 2 a 2
Divulgação

Boca Juniors e River Plate empataram a primeira partida da final em 2 a 2

O River Plate se pronunciou oficialmente, na manhã deste sábado (01), a respeito da decisão da Conmebol de transferir a final da Libertadores para o estádio Santiago Bernabéu, em Madri, na Espanha.

Leia também: Grêmio ou Palmeiras no Mundial? Veja o que diz o regulamento da Libertadores

Na nota, o River deixou clara sua insatisfação com a mudança de local, e afirmou que se recusa a jogar a partida por se sentir prejudicado ao perder a condição de mandante, que teria no Monumental de Nuñez.

O comunicado cita ainda o G-20, e alega ser incompreensível a Argentina ter condições de receber o encontro dos principais líderes do mundo, e não conseguir realizar o clássico mais importante do país.

Confira a nota do River


A equipe argentina se recusa a jogar no estádio do Real Madrid
Divulgação

A equipe argentina se recusa a jogar no estádio do Real Madrid

Leia também: Daniel Alves critica final da Libertadores em Madri: “Maior vergonha que já vi”

– A partir da apresentação feita ontem, sexta-feira 30 de novembro, antes da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), o River Plate confirma sua recusa em mudar de local. O clube entende que esta decisão desnaturaliza a competição, prejudica os torcedores que adquiriram ingresso e afeta a igualdade de condições a partir da perda da condição de mandante.

– A responsabilidade pela falha na operação de segurança no sábado dia 24, ocorrida fora do perímetro do evento, foi assumida abertamente pelas mais altas autoridades do Estado. Isto equivale a dizer que o River Plate lamenta, se solidariza, mas não há responsabilidade do clube.

– Mais de 66 mil torcedores no estádio aguardaram pacientemente durante cerca de oito horas no sábado e voltaram a fazer pela segunda vez no domingo. A estes torcedores se nega agora, sem justificativa, a possibilidade de assistir ao espetáculo, em virtude da evidente diferença de custos e a distância da sede eleita (Santiago Bernabéu).

– É incompreensível que o clássico mais importante do futebol argentino não possa ser disputado com normalidade no mesmo após que nestes dias recebe o G-20. O futebol argentino em seu conjunto, e a Associação do Futebol Argentino (AFA) não podem e não devem permitir que alguns violentos atrapalhem a disputa do Superclássico em nosso país.

Boca também não quer jogar final


O ônibus do Boca Juniors foi apedrejado por torcedores do River Plate na chegada ao Monumental de Nuñez
Reprodução

O ônibus do Boca Juniors foi apedrejado por torcedores do River Plate na chegada ao Monumental de Nuñez

O Boca Juniors também se sente prejudicado com a decisão da Conmebol após o ataque ao ônibus do clube. Os Xeneizes querem que os rivais sejam responsabilizados pelo caso e eliminados da competição. A entidade apenas multou o River e puniu o clube com dois jogos sem torcida na próxima edição da competição sul-americana.

Na tentativa de ser declarado campeão nos tribunais, o Boca Juniors recorreu ao Tribunal Disciplinar, mas teve pedido negado. Agora o clube promete apelar ao CAS (Corte Arbitral do Esporte).

Leia também: Final da Libertadores faz Fifa vetar Copa do Mundo na Argentina, diz jornal

Caso  River e Boca decidam disputar final da Libertadores de 2018 conforme decidiu a Conmebol, a partida será realizada no Santiago Bernabéu, estádio do Real Madrid, no próximo dia 9 de dezembro.

Comentários Facebook

Esportes

Após ‘caso Koulibaly’, Inter de Milão lança campanha antirracista nas redes

Publicado


O zagueiro do Napoli, Koulibaly, foi alvo de cantos racistas da torcida da Inter de Milão
reprodução / Twitter

O zagueiro do Napoli, Koulibaly, foi alvo de cantos racistas da torcida da Inter de Milão

Depois de seus torcedores entoarem cânticos racistas em partida contra o Napoli, a Inter de Milão lançou uma campanha antirracismo com um vídeo no qual jogadores pedem que a torcida não faça o barulho “buu”, conhecido como uma ofensa.

Leia também:  Fernando Diniz fala sobre chegada de Ganso ao Fluminense: “está animado”

A gravação foi divulgada nas redes sociais da Inter de Milão nesta sexta-feira (18) e conta com a presença de Icardi e Samuel Eto’o, além dos ex-jogadores Luís Figo e Javier Zanetti.

O barulho “buu” é normalmente considerado como racista no futebol italiano. Por isso, a ideia dos nerazzurri é utilizar o vídeo sob o slogan “Brothers Universally United” (BUU) (“Irmãos Unidos Universalmente”, em português). De acordo com um comunicado do clube italiano, a campanha é “um convite para combater o racismo com sua própria arma: o buu racista”.

“É uma transição do negativo, para o positivo. É isso que queremos da campanha Buu, escreva, não diga”, disse o presidente do clube, Steven Zhang.

Leia também:  “Minha vontade era arrancar a cabela dela”, diz Maradona sobre término

Logo depois, o Milan se uniu ao rival e endossou a iniciativa. “O Milan está ao lado da Inter na luta contra o racismo, porque há desafios que vão muito além das cores e rivalidades”, escreveram os rossoneros no Twitter.

A campanha foi lançada após o zagueiro do Napoli Kalidou Koulibaly virar alvo de cânticos racistas entoados por torcedores da Inter, que foi punida com dois jogos no San Siro com portões fechados e uma terceira sem público na “curva norte”, onde ficam suas torcidas organizadas.

Leia também:  Barcelona escapa de punição e enfrentará o Sevilla nas quartas da Copa do Rei

Embora o próximo jogo contra o Sassuolo no sábado(19) seja sem torcida, a Inter de Milão afirmou que a liga italiana autorizou a entrada de 10 mil crianças da região no estádio. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Medalhista olímpico de snowboard anuncia pausa na carreira para tratar câncer

Publicado


Max Parrot, medalhista olímpico de snowboard, foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin, um tipo de câncer
Reprodução

Max Parrot, medalhista olímpico de snowboard, foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin, um tipo de câncer

Medalhista olímpico de snowboard, o canadense Max Parrot anunciou nesta sexta-feira (18) que foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin e estará ausente de toda a temporada 2019. O atleta de 24 anos é uma das maiores promessas dos esportes de inverno no Canadá.

Leia também:  Laís Souza comemora evolução em vídeo e agradece apoio de Neymar Jr.

A informação sobre a doença do atleta foi antecipada pelo perfil oficial da seleção de snowboard do Canadá na quinta-feira. Nas redes sociais, outros snowboarders prestaram solidariedade a Max Parrot , como o companheiro de seleção Marc McMorris.

O linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer que acomete o sistema linfático no pescoço, axilas ou virilhas. Os maiores sintomas são fadiga, febre e calafrios e é mais comum na faixa etária dos 20 aos 40 anos. Em entrevista coletiva, Parrot explicou que em setembro começou a sentir coceira ao redor do pescoço e procurou auxilio médico assim que percebeu um inchaço.

“Não tem sido uma notícia fácil de digerir, tanto para minha família quanto para mim”, explicou o atleta. O diagnóstico de Parrot saiu no último dia 21 de dezembro após a realização de uma biópsia.

Leia também:  Amanda Nunes organiza campeonato de futebol feminino em sua cidade

O snowboarder fez questão de ressaltar em sua entrevista que a batalha contra o câncer será sua única competição no ano. Ele deve se submeter a 12 sessões de quimioterapia nos próximos seis meses.

“Vou permanecer o mais positivo possível nos próximos meses. Teoricamente, se tudo correr bem, eu devo terminar a quimioterapia em junho. Mas é assustador, eu não vou esconder isso de vocês”, comentou aos jornalistas.

Inicialmente Parrot tinha pensado em pedir ao corpo médico que adiasse o inicio do tratamento para depois do X Games de Aspen, nos Estados Unidos, que acontece na próxima semana. Porém, o atleta mudou de ideia ao consultar os profissionais.

Leia também:  Rafael Nadal comemora boa forma física e classificação no Australian Open

Max Parrot é multicampeão no X Games, principal competição de esportes no mundo. Ele já venceu quatro vezes a categoria Big Air e uma vez a categoria Slopestyle. No início de 2018 o atleta do Canadá foi prata nos Jogos Olímpicos de PyeongChang na modalidade de Slopestyle.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana