conecte-se conosco


Esportes

Procuram-se novos Gugas no tênis brasileiro

Publicado

IstoÉ

Gustavo Kuerten%2C o Guga
Fotos Públicas

Gustavo Kuerten, o Guga

O esporte nacional está repleto de narrativas heroicas que têm menos a ver com empreendimentos bem-sucedidos e mais com a sorte ou talentos individuais. Mas o tênis brasileiro pós-Guga pode ser uma exceção em razão de boas iniciativas de profissionais, instituições e empresários.

Leia também: Guga Kuerten convida Roger Federer para formar dupla em torneio no Brasil

Um exemplo é o Time Guga , que tem a participação do próprio Gustavo Kuerten , tricampeão de Roland Garros. O grupo não tem uma base. Foca principalmente em mentoria e treinamento de jovens tenistas que podem se profissionalizar.

São seis atletas e três treinadores que contam com o apoio de nomes como Hugo Daibert, o treinador de Bruno Soares, duplista top 10 da ATP e um dos grandes destaques atuais do País. Marcio Torres, o empresário de vários líderes do tênis nacional, incluindo Thomaz Bellucci, também faz parte dessa iniciativa.

EM FORMAÇÃO O jovem Augusto Torres usa a metodologia de ensino criada por Ludgero Braga Neto (Crédito:Divulgação)

Para ele, a ideia é atacar uma das maiores deficiências do país: a profissionalização de educadores e treinadores.”Nossa cultura não premia esse tipo de formação”, afirma.

Como resultado, a febre pela modalidade diminui assim que estrelas como o próprio Guga deixam o circuito. “Há 20 anos, quando eu comecei, não existia esse tipo de apoio, afirma Bellucci.

O Instituto Tênis (IT) é outra iniciativa de importância na área. Fundada em 2002 pelo empresário Jorge Paulo Lemann — ex-profissional que já foi campeão brasileiro e competiu em Wimbledon — e por Nelson Roesch Aerts, tem como objetivo formar tenistas capazes de alcançar o posto de número 1 do mundo. Cristiano Borelli, seu diretor executivo desde 2011, diz que a instituição procura ser uma referência, com planejamento e governança, para estimular outras instituições.

AMADURECIMENTO

Borelli diz que são 45 jovens em treinamento no IT. “Todos têm um ciclo de amadurecimento acima de média do jovem normal, que não pratica esporte de alto rendimento”, diz. Doze são considerados de alta performance e moram no IT, em Barueri (SP), com bolsa integral. Eles têm atenção individual que inclui fisioterapia e acompanhamento pedagógico, além de viagens para participar de torneios. Matheus Pucinelli, que conquistou o título de melhor dupla juvenil em Roland Garros, em Paris, no início deste mês, é um deles.

“Houve uma grande mudança no tênis brasileiro e poucos perceberam. Muitos jovens e crianças estão sendo preparados, com tecnologia e melhor técnica”, diz Heleno Torres, professor de Direito Desportivo da Faculdade de Direito da USP. Brasileiros disputam os principais torneios, incluindo, além de Bellucci e Soares, Marcelo Melo, o primeiro a liderar o ranking mundial de duplas da ATP. Há mais transmissões de jogos pela TV e internet — superando até a era Guga —, o que estimula a prática do esporte e o turismo especializado para atender os principais campeonatos.

Com o interesse crescente, está ocorrendo uma maior profissionalização. Ex-esportista, Ludgero Braga Neto é um exemplo. Durante mais de dez anos estudou os três golpes mais importantes do tênis — saque, forehand e backhand — na Escola de Educação Física da USP. Sua pós-graduação em Biomecânica do Tênis levou-o a criar um método de ensino que compreende 200 avaliações de itens técnicos, táticos e físicos.

Leia também: Roger Federer faz ‘milagre’ com raquete durante treino para Roland Garros

Como resultado, já formou 12 tenistas Top 10 do Ranking Brasileiro e conseguiu levar vários jovens a boas universidades do exterior, que fornecem bolsas por desempenho esportivo. Lucas Koelle chegou à liderança do time universitário de Harvard (nessa caso, bolsa para atletas). Braga Neto também fechou parceria para adotar sua metodologia com Sébastien Grosjean, ex-campeão e atual treinador da equipe francesa da Copa Davis.

É mais um caso ilustrativo de que o País aos poucos cria as bases para subir no ranking mundial do esporte — desta vez, com estratégia. E também buscar algum outro Guga por aí.

Comentários Facebook

Esportes

Brasileirão de mata-mata: veja como seriam as quartas de final de 2003 para cá

Publicado

Taça do Brasileirão arrow-options
Reprodução

Taça do Brasileirão

O Brasileirão teve fase de mata-mata até a temporada de 2002, quando os oito primeiros colocados depois do primeiro turno disputavam eliminatórias em jogos de ida e volta até a grande final – em alguns casos, era jogo único.

Leia também: Por que a camisa número 24 é “proibida” no futebol brasileiro?

A partir de 2003, a CBF adotou o sistema de pontos corridos para o Brasileirão , onde o time com a maior pontuação nos dois turnos leva o título, como acontece atualmente.

Mas e se Campeonato Brasileiro ainda fosse disputado no formato de mata-mata, como seriam as quartas de final em todos os campeonatos desde 2003? Agora em 2019, por exemplo, os jogos seriam esses: Flamengo x Grêmio; Palmeiras x Bahia; Santos x São Paulo; Internacional x Corinthians.

Veja abaixo como seriam as quartas de final de todos os Brasileirões de pontos corridos, caso ainda tivessem a fase de mata-mata. Vale lembrar que esta é a classificação dos campeonatos no primeiro turno.

Brasileirão de 2003

Cruzeiro (1°) x Corinthians (8°)
Santos (2°) x Criciúma (7º)
São Paulo (3º) x Internacional (6°)
Coritiba (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2004

Santos (1º) X Figueirense (8º)
São Paulo (2º) x Goiás (7º)
Ponte Preta (3º) x Juventude (6°)
Palmeiras (4º) x Athletico-PR (5°)

Brasileirão de 2005

Corinthians (1°) x Palmeiras (8°)
Fluminense (2°) x Santos (7°)
Goiás (3°) x Ponte Preta (6°)
Paraná (4°) x Internacional (5°)

Brasileirão de 2006

São Paulo (1°) x Goiás (8°)
Internacional (2°) x Figueirense (7°)
Grêmio (3°) x Vasco (6°)
Santos (4°) x Paraná (5°)

Brasileirão de 2007

São Paulo (1°) x Santos (8°)
Botafogo (2°) x Grêmio (7°)
Cruzeiro (3°) x Goiás (6°)
Vasco (4°) x Palmeiras (5°)

Brasileirão de 2008

Grêmio (1º) x Botafogo (8º)
Cruzeiro (2°) x Flamengo (7°)
Palmeiras (3º) x Coritiba (6°)
São Paulo (4° x Vitória (5°)

Brasileirão de 2009

Internacional (1°) x Grêmio (8°)
Palmeiras (2°) x Flamengo (7°)
Goiás (3°) x Avaí (6°)
São Paulo (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2010

Fluminense (1º) x Athletico-PR (8º)
Corinthians (2°) x Vasco (7°)
Santos (3°) x Cruzeiro (6°)
Internacional (4°) x Botafogo (5°)

Brasileirão de 2011

Corinthians (1°) x Internacional (8°)
Flamengo (2°) x Cruzeiro (7°)
São Paulo (3°) x Palmeiras (6°)
Vasco (4°) x Botafogo (5°)

Brasileirão de 2012

Atlético-MG (1°) x Botafogo (8°)
Fluminense (2°) x Flamengo (7°)
Grêmio (3°) x Internacional (6°)
Vasco (4°) x São Paulo (5°)

Brasileirão de 2013

Cruzeiro (1º) X Coritiba (8º)
Botafogo (2º) x Santos (7°)
Grêmio (3°) x Internacional (6°)
Athletico-PR (4°) x Corinthians (5°)

Brasileirão de 2014

Cruzeiro (1º)  x Sport (8º)
São Paulo (2°) x Atlético-MG (7°)
Internacional (3°) x Grêmio (6°)
Corinthians (4°) x Fluminense (5°)

Brasileirão de 2015

Corinthians (1º) x Athletico-PR (8º)
Atlético-MG (2°) x Sport (7°)
Grêmio (3°) x São Paulo (6°)
Fluminense (4°) x Palmeiras (5°)

Brasileirão de 2016

Palmeiras (1°) x Fluminense (8°)
Atlético-MG (2°) x Athletico-PR (7°)
Corinthians (3°) x Grêmio (6°)
Flamengo (4°) x Santos (5°)

Brasileirão de 2017

Corinthians (1°) x Athletico-PR (8°)
Grêmio (2°) x Cruzeiro (7°)
Santos (3°) x Sport (6°)
Palmeiras (4°) x Flamengo (5°)

Brasileirão de 2018

São Paulo (1°) x Cruzeiro (8°)
Internacional (2°) x Corinthians (7°)
Flamengo (3°) x Palmeiras (6°)
Grêmio (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2019

Flamengo (1°) x Grêmio (8°)
Palmeiras (2°) x Bahia (7°)
Santos (3°) x São Paulo (6°)
Internacional (4°) x Corinthians (5°)

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Com ótimo segundo tempo, Grêmio bate o Santos na Vila Belmiro

Publicado

Lance

jogo do gremio arrow-options
Reprodução/Twitter/@gremio/Lucas Uebel

Grêmio vence Santos na Vila Belmiro com três gols no segundo tempo

Foram dois tempos distintos. Mas só um dos times aproveitou bem as chances. Após sofrer no primeiro tempo, o Grêmio voltou melhor no segundo e fez 3 a 0 no Santos, na noite deste sábado, na Vila Belmiro. Luan, Pepê e Everton marcaram para o Tricolor, que chegou a 31 pontos e, agora é o sétimo colocado. O Peixe parou nos 37, na terceira colocação.

Os dois times voltam a jogar na próxima quinta-feira. O Santos visita o Fluminense, às 20h, no Maracanã, enquanto, no mesmo horário, o Grêmio recebe o Avaí, na Arena.

Leia também: Leia também: Renato Gaúcho contesta trabalho de Sampaoli no Santos: “Ganhou alguma coisa?”

P eixe a mil por hora

​O Santos começou a partida sem deixar o Grêmio respirar na Vila Belmiro. Foram 15 minutos de pura pressão do time de Jorge Sampaoli, que empilhou chances de gols – ora mal finalizadas, ora defendidas por Paulo Vitor. Comandado por Carlos Sánchez, o time do Santos teve oportunidades com o próprio uruguaio, Pituca e Soteldo. Nesse curto período de tempo, foram seis finalizações do Peixe, sendo cinco na direção do gol.

Enquanto isso, o Grêmio tentava puxar contra-ataques pelos lados, mas só tinha algum desafogo quando Everton conseguia arrancar pela direita.

Grêmio equilibra

Apesar do começo fulminante do Peixe, o time do Grêmio conseguiu segurar o ímpeto dos donos da casa. A partir dos 20 minutos, o Tricolor começou a sair um pouco mais para o jogo e, no final do primeiro tempo, conseguiu criar duas boas chances de gol. Primeiro, com Everton. Após bom cruzamento de Cortez, aos 42, Cebolinhas tentou de cabeça mas pegou fraco e mandou para fora.

Cinco minutos depois, o Grêmio teve, talvez, a melhor chance do jogo. Após cobrança de escanteio, Everton pegou a sobra finalizou. A bola desviou e Michel ficou com ela quase na risca da pequena área, mas finalizou fraco, nas mãos de Éverson.

Tricolor volta melhor

​Se terminou o primeiro tempo conseguindo equilibrar a partida, o Grêmio voltou do intervalo ainda melhor. E não demorou para conseguiu abrir o placar. Aos 9 minutos, Galhardo cobrou uma falta pelo lado esquerdo, a bola desviou na barreira e sobrou para Luan. O camisa 7 do Grêmio finalizou bem na saída de Éverson e marcou.

Leia também: Flamengo vence o Cruzeiro e alcança recorde de vitórias no Brasileiro

Lá e cá

Após o gol do Grêmio, o jogo, que já estava bom, ficou ainda melhor. Mesmo com o gramado molhado, as duas equipes tocavam bem a bola e chegavam com muita velocidade na área adversária, mas falhavam na hora do último passe.

Renato leva a melhor

Enquanto o as substituições de Sampaoli não surtiram efeito no Peixe, principalmente a entrada de Uribe, as trocas de Renato mantiveram o time do Grêmio com velocidade e bom toque de bola. E foi assim que o Grêmio ampliou o placar. Aos 41, Matheus Henrique deu um belo lançamento para Pepê, que tocou para Everton. O camisa 11 devolveu e Pepê finalizou para o gol.

E ainda teve tempo para mais um. Em novo contra-ataque, Alisson tocou para Everton na entrada da área. O camisa 11 tocou rasteiro, no canto. Com toques de crueldade, a bola ainda bateu na trave antes de entrar e decretar a grande vitória do Grêmio.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 3 GRÊMIO

Local : Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 20/9 (sábado), 21h
Árbitro : Paulo Roberto Alves Junior (PR) – 6,0, Nota LANCE!: Não atrapalhou o andamento do jogo.
Assistentes: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (ambos PR)
Árbitro de vídeo: Adriano Milczvski (PR)
Público/Renda: 10.898 pagantes/R$ 476.877,50
Gramado: Bom.
Cartão amarelo: Soteldo e Jorge Sampaoli (SAN), Everton, Michel e Diego Tardelli (GRE)
Cartão vermelho: –

GOLS: Luan, 9’/2ºT (0-1), Pepê, 41’/2ºT (0-2), Everton, 47’/2ºT (0-3)

SANTOS : Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Felipe Jonatan, 21’/2ºT) e Jorge; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Venuto, 31’/2ºT); Soteldo, Eduardo Sasha e Marinho (Uribe, 19’/2ºT). Técnico : Jorge Sampaoli.

GRÊMIO : Paulo Victor; Galhardo, David Braz, Kannemann e Cortez (Juninho Capixaba, Intervalo); Matheus Henrique, Michel, Alisson e Luan (Pepê, 31’/2ºT); Everton e Diego Tardelli (Thaciano, 21’/2ºT). Técnico : Renato Gaúcho.

Comentários Facebook
Continue lendo

Ouça Agora

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana