conecte-se conosco


Esportes

Jogo do futebol brasileiro com 2 árbitros em campo? Já aconteceu e foi sucesso

Publicado

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
Facebook / Arquivo pessoal

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

Um dos assuntos mais comentados do futebol brasileiro na atualidade é o árbitro de vídeo, o VAR , que, mesmo com intuito de diminuir os erros dentro de campo, vem causando polêmica por conta de decisões consideradas erradas por parte da equipe de arbitragem e o enorme tempo gasto com análise de lances.

Leia também: “7×1 da minha vida”: Mauro Naves desabafa após caso Neymar e demissão da Globo

É inegável que o VAR ajuda. No passado, mais precisamente nos anos de 2000 e 2001, a FPF (Federação Paulista de Futebol) teve uma ideia que também tinha como objetivo aumentar o tempo de bola rolando e diminuir os equívocos dos juízes: colocar dois árbitros  nos jogos do Campeonato Paulista, um em cada metade de campo.

O ex-árbitro  Alfredo dos Santos Loebeling , que atualmente é consultor de arbitragem e fornece assessoria para clubes brasileiros, falou com o iG sobre a dupla arbitragem no Paulistão.

Ele, inclusive, apitou as duas finais nessas oportunidades. Na decisão de 2000, esteve ao lado de Ílson Honorato dos Santos no São Paulo x Santos; e em 2001, trabalhou com Edílson Pereira de Carvalho no Corinthians x Botafogo-SP.

Dois árbitros em campo na final do Paulistão de 2000 arrow-options
Reprodução / PFC

Dois árbitros em campo na final do Paulistão de 2000

“Os testes começaram em 1994. O primeiro teste foi justamente no dia da morte do Ayrton Senna, em 1º de maio de 1994, no Morumbi, no campeonato de aspirantes, num Palmeiras x São Paulo”, relembrou Loebeling.

Leia também: Mulher de Luiz Adriano rouba a cena no Allianz Parque, mas leva puxão de orelha

“Para a Fifa autorizar esse tipo de coisa em um campeonato inteiro, como foi nesse caso em dois anos seguidos, você tinha que apresentar dados. Então esses testes eram para mostrar que o tempo de bola em jogo aumentava e que a quantidade de faltas diminuía em função da presença dos dois árbitros mais próximos do lance”, continuou o ex-árbitro.

Os testes feitos pela FPF foram enviados para Fifa, que autorizou o uso de dois juízes em campo nos Paulistões de 2000 e 2001.

Alfredo dos Santos Loebeling trabalha atualmente como comentarista e consultor de arbitragem arrow-options
Facebook / Arquivo pessoal

Alfredo dos Santos Loebeling trabalha atualmente como comentarista e consultor de arbitragem

“Não tenha dúvida que o problema que tinha naquela época também tem agora, que é o tempo muito grande perdido de jogo. O cara vai no cinema e paga por 2 horas de filme. O cara vai no teatro e paga por 1 hora e meia de peça. No futebol, o cara paga por 90 minutos de jogo e recebe muito pouco”, disse.

“Então havia esse estudo de que o árbitro estando mais perto do lance, aconteceriam menos faltas e o jogo corria mais. A ideia era essa, agilizar as partidas. Tanto que nós aumentamos esse tempo e foi a maior média de bola em jogo nos estaduais naqueles dois anos”, comentou Alfredo Loebeling.

E deu muito certo

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
Facebook/Reprodução

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

Apesar de a dupla arbitragem ter sido usada em apenas duas edições de Campeonato Paulista, Loebeling garante que a novidade foi um sucesso. 

“Avaliação é mais do que positiva. Teve um aumento no tempo de jogo (de bola rolando) e também caiu o número de faltas. O zagueiro via que o juiz estava próximo e maneirava nas faltas. Como o cara vai reclamar do árbitro que está a 3 metro do lance? Além disso, em função da diminuição do número de faltas, aumentou o número de gols”, comentou.

E por que não seguiu para outros anos?

“Simples. Todas as ideias mandadas para Fifa foram do Eduardo José Farah (ex-presidente da Federação Paulista). E naquele ano de 2001, o Marco Polo Del Nero assumiu a FPF no lugar do Farah. E jamais o Del Nero iria dar continuidade num processo que saiu através do Farah. Jamais. O Farah saiu brigado com o Marco Polo e nunca iria acontecer”, admitou o ex-juiz.

“A ideia que se tinha é de que os dois árbitros não haviam dado certo aqui no Brasil. Mas muito pelo contrário. Deu certo, só não foi adiante em função da vaidade do Marco Polo Del Nero”, completou Alfredo Loebeling.

Conflito nas marcações dos dois árbitros

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
TV Gazeta/Reprodução

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

E se os dois árbitros em campo tivessem interpretações diferentes nos lances, com divergências em suas marcações. Loebeling disse que tudo era feito com muito cuidado e profissionalismo por parte dos homens do apito.

“Era uma questão muito profissional, a Federação tomava muito cuidado. Quando via que uma dupla não foi bem, não repetia essa dupla. Cheguei a apitar com o mesmo árbitro umas três, quatro vezes”, lembrou.

Alfredo Loebeling contou também a dificuldade de trabalhar com a dupla arbitragem na final de 2001, já que ele não tinha uma boa relação com Edílson Pereira de Carvalho nos bastidores e, mesmo assim, tiveram que trabalhar juntos no Corinthians x Botafogo-SP, no Morumbi.

Leia também: Garoto fumante visto em estádio é adulto de 36 anos, afirma site

“Na final de 2001, eu não falava com o Edílson Pereira de Carvalho, a gente não tinha uma relação boa. E a Federação escalou os dois para final. Eu pensei: ‘Pô, eu não falo com o cara fora de campo, não vou falar dentro de campo’. Mas a Federação exigiu que a gente fosse o máximo profissional possível”, destacou.

“Foi um jogo difícil porque a gente não conversava, mas a abitragem foi muito bem. Foi muito profissional, apesar da relação não ser boa. No caso de dois árbitros, acho que sempre tem que colocar duas pessoas com uma melhor empatia”, concluiu.

O VAR no Brasil

Alfredo dos Santos Loebeling%2C ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla arrow-options
Facebook / Arquivo pessoal

Alfredo dos Santos Loebeling, ex-juiz que apitou duas finais do Paulistão com arbitragem dupla

Defensor da dupla arbitragem, Loebeling falou também sobre o árbitro de vídeo. “Sou a favor do VAR, não tenha dúvida, mas conforme protocolo da Fifa. Aqui criaram o ‘FrankVAR’, o VAR brasileiro, o Frankenstein do VAR, uma coisa própria contrária do que diz a Fifa”, avaliou.

“Aqui estamos mudando completamente o que a Fifa quer, e aí sou contra. Hoje está mais difícil. O que usamos aqui no Brasil não é o VAR da Fifa. Estamos usando em lance interpretativo, e não é esse o protocolo. Só se for um erro grosseiro, aí sim o VAR tem que intervir. Os árbitros estão se escondendo atrás do VAR. O vídeo tem que ter o mínimo de interferência”, comentou Loebeling.

Para o ex-árbitro, a VAR virou um “cabidão de emprego” dentro do futebol brasileiro, sendo que os clubes é que pagam por isso.

“São seis pessoas na cabine, mais quatro pessoas no campo, mais os técnicos de VAR. Isso em cada jogo. E aí viaja pelo Brasil inteiro, com passagem aérea, hospedagem, taxas… de uma maneira ou de outra, isso sai dos clubes e ninguém se manifesta”, finalizou Alfredo dos Santos Loebeling .

Comentários Facebook

Esportes

Brasileirão de mata-mata: veja como seriam as quartas de final de 2003 para cá

Publicado

Taça do Brasileirão arrow-options
Reprodução

Taça do Brasileirão

O Brasileirão teve fase de mata-mata até a temporada de 2002, quando os oito primeiros colocados depois do primeiro turno disputavam eliminatórias em jogos de ida e volta até a grande final – em alguns casos, era jogo único.

Leia também: Por que a camisa número 24 é “proibida” no futebol brasileiro?

A partir de 2003, a CBF adotou o sistema de pontos corridos para o Brasileirão , onde o time com a maior pontuação nos dois turnos leva o título, como acontece atualmente.

Mas e se Campeonato Brasileiro ainda fosse disputado no formato de mata-mata, como seriam as quartas de final em todos os campeonatos desde 2003? Agora em 2019, por exemplo, os jogos seriam esses: Flamengo x Grêmio; Palmeiras x Bahia; Santos x São Paulo; Internacional x Corinthians.

Veja abaixo como seriam as quartas de final de todos os Brasileirões de pontos corridos, caso ainda tivessem a fase de mata-mata. Vale lembrar que esta é a classificação dos campeonatos no primeiro turno.

Brasileirão de 2003

Cruzeiro (1°) x Corinthians (8°)
Santos (2°) x Criciúma (7º)
São Paulo (3º) x Internacional (6°)
Coritiba (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2004

Santos (1º) X Figueirense (8º)
São Paulo (2º) x Goiás (7º)
Ponte Preta (3º) x Juventude (6°)
Palmeiras (4º) x Athletico-PR (5°)

Brasileirão de 2005

Corinthians (1°) x Palmeiras (8°)
Fluminense (2°) x Santos (7°)
Goiás (3°) x Ponte Preta (6°)
Paraná (4°) x Internacional (5°)

Brasileirão de 2006

São Paulo (1°) x Goiás (8°)
Internacional (2°) x Figueirense (7°)
Grêmio (3°) x Vasco (6°)
Santos (4°) x Paraná (5°)

Brasileirão de 2007

São Paulo (1°) x Santos (8°)
Botafogo (2°) x Grêmio (7°)
Cruzeiro (3°) x Goiás (6°)
Vasco (4°) x Palmeiras (5°)

Brasileirão de 2008

Grêmio (1º) x Botafogo (8º)
Cruzeiro (2°) x Flamengo (7°)
Palmeiras (3º) x Coritiba (6°)
São Paulo (4° x Vitória (5°)

Brasileirão de 2009

Internacional (1°) x Grêmio (8°)
Palmeiras (2°) x Flamengo (7°)
Goiás (3°) x Avaí (6°)
São Paulo (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2010

Fluminense (1º) x Athletico-PR (8º)
Corinthians (2°) x Vasco (7°)
Santos (3°) x Cruzeiro (6°)
Internacional (4°) x Botafogo (5°)

Brasileirão de 2011

Corinthians (1°) x Internacional (8°)
Flamengo (2°) x Cruzeiro (7°)
São Paulo (3°) x Palmeiras (6°)
Vasco (4°) x Botafogo (5°)

Brasileirão de 2012

Atlético-MG (1°) x Botafogo (8°)
Fluminense (2°) x Flamengo (7°)
Grêmio (3°) x Internacional (6°)
Vasco (4°) x São Paulo (5°)

Brasileirão de 2013

Cruzeiro (1º) X Coritiba (8º)
Botafogo (2º) x Santos (7°)
Grêmio (3°) x Internacional (6°)
Athletico-PR (4°) x Corinthians (5°)

Brasileirão de 2014

Cruzeiro (1º)  x Sport (8º)
São Paulo (2°) x Atlético-MG (7°)
Internacional (3°) x Grêmio (6°)
Corinthians (4°) x Fluminense (5°)

Brasileirão de 2015

Corinthians (1º) x Athletico-PR (8º)
Atlético-MG (2°) x Sport (7°)
Grêmio (3°) x São Paulo (6°)
Fluminense (4°) x Palmeiras (5°)

Brasileirão de 2016

Palmeiras (1°) x Fluminense (8°)
Atlético-MG (2°) x Athletico-PR (7°)
Corinthians (3°) x Grêmio (6°)
Flamengo (4°) x Santos (5°)

Brasileirão de 2017

Corinthians (1°) x Athletico-PR (8°)
Grêmio (2°) x Cruzeiro (7°)
Santos (3°) x Sport (6°)
Palmeiras (4°) x Flamengo (5°)

Brasileirão de 2018

São Paulo (1°) x Cruzeiro (8°)
Internacional (2°) x Corinthians (7°)
Flamengo (3°) x Palmeiras (6°)
Grêmio (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2019

Flamengo (1°) x Grêmio (8°)
Palmeiras (2°) x Bahia (7°)
Santos (3°) x São Paulo (6°)
Internacional (4°) x Corinthians (5°)

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Com ótimo segundo tempo, Grêmio bate o Santos na Vila Belmiro

Publicado

Lance

jogo do gremio arrow-options
Reprodução/Twitter/@gremio/Lucas Uebel

Grêmio vence Santos na Vila Belmiro com três gols no segundo tempo

Foram dois tempos distintos. Mas só um dos times aproveitou bem as chances. Após sofrer no primeiro tempo, o Grêmio voltou melhor no segundo e fez 3 a 0 no Santos, na noite deste sábado, na Vila Belmiro. Luan, Pepê e Everton marcaram para o Tricolor, que chegou a 31 pontos e, agora é o sétimo colocado. O Peixe parou nos 37, na terceira colocação.

Os dois times voltam a jogar na próxima quinta-feira. O Santos visita o Fluminense, às 20h, no Maracanã, enquanto, no mesmo horário, o Grêmio recebe o Avaí, na Arena.

Leia também: Leia também: Renato Gaúcho contesta trabalho de Sampaoli no Santos: “Ganhou alguma coisa?”

P eixe a mil por hora

​O Santos começou a partida sem deixar o Grêmio respirar na Vila Belmiro. Foram 15 minutos de pura pressão do time de Jorge Sampaoli, que empilhou chances de gols – ora mal finalizadas, ora defendidas por Paulo Vitor. Comandado por Carlos Sánchez, o time do Santos teve oportunidades com o próprio uruguaio, Pituca e Soteldo. Nesse curto período de tempo, foram seis finalizações do Peixe, sendo cinco na direção do gol.

Enquanto isso, o Grêmio tentava puxar contra-ataques pelos lados, mas só tinha algum desafogo quando Everton conseguia arrancar pela direita.

Grêmio equilibra

Apesar do começo fulminante do Peixe, o time do Grêmio conseguiu segurar o ímpeto dos donos da casa. A partir dos 20 minutos, o Tricolor começou a sair um pouco mais para o jogo e, no final do primeiro tempo, conseguiu criar duas boas chances de gol. Primeiro, com Everton. Após bom cruzamento de Cortez, aos 42, Cebolinhas tentou de cabeça mas pegou fraco e mandou para fora.

Cinco minutos depois, o Grêmio teve, talvez, a melhor chance do jogo. Após cobrança de escanteio, Everton pegou a sobra finalizou. A bola desviou e Michel ficou com ela quase na risca da pequena área, mas finalizou fraco, nas mãos de Éverson.

Tricolor volta melhor

​Se terminou o primeiro tempo conseguindo equilibrar a partida, o Grêmio voltou do intervalo ainda melhor. E não demorou para conseguiu abrir o placar. Aos 9 minutos, Galhardo cobrou uma falta pelo lado esquerdo, a bola desviou na barreira e sobrou para Luan. O camisa 7 do Grêmio finalizou bem na saída de Éverson e marcou.

Leia também: Flamengo vence o Cruzeiro e alcança recorde de vitórias no Brasileiro

Lá e cá

Após o gol do Grêmio, o jogo, que já estava bom, ficou ainda melhor. Mesmo com o gramado molhado, as duas equipes tocavam bem a bola e chegavam com muita velocidade na área adversária, mas falhavam na hora do último passe.

Renato leva a melhor

Enquanto o as substituições de Sampaoli não surtiram efeito no Peixe, principalmente a entrada de Uribe, as trocas de Renato mantiveram o time do Grêmio com velocidade e bom toque de bola. E foi assim que o Grêmio ampliou o placar. Aos 41, Matheus Henrique deu um belo lançamento para Pepê, que tocou para Everton. O camisa 11 devolveu e Pepê finalizou para o gol.

E ainda teve tempo para mais um. Em novo contra-ataque, Alisson tocou para Everton na entrada da área. O camisa 11 tocou rasteiro, no canto. Com toques de crueldade, a bola ainda bateu na trave antes de entrar e decretar a grande vitória do Grêmio.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 3 GRÊMIO

Local : Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 20/9 (sábado), 21h
Árbitro : Paulo Roberto Alves Junior (PR) – 6,0, Nota LANCE!: Não atrapalhou o andamento do jogo.
Assistentes: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (ambos PR)
Árbitro de vídeo: Adriano Milczvski (PR)
Público/Renda: 10.898 pagantes/R$ 476.877,50
Gramado: Bom.
Cartão amarelo: Soteldo e Jorge Sampaoli (SAN), Everton, Michel e Diego Tardelli (GRE)
Cartão vermelho: –

GOLS: Luan, 9’/2ºT (0-1), Pepê, 41’/2ºT (0-2), Everton, 47’/2ºT (0-3)

SANTOS : Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Felipe Jonatan, 21’/2ºT) e Jorge; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Venuto, 31’/2ºT); Soteldo, Eduardo Sasha e Marinho (Uribe, 19’/2ºT). Técnico : Jorge Sampaoli.

GRÊMIO : Paulo Victor; Galhardo, David Braz, Kannemann e Cortez (Juninho Capixaba, Intervalo); Matheus Henrique, Michel, Alisson e Luan (Pepê, 31’/2ºT); Everton e Diego Tardelli (Thaciano, 21’/2ºT). Técnico : Renato Gaúcho.

Comentários Facebook
Continue lendo

Ouça Agora

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana