conecte-se conosco


Esportes

Floyd Maywheater cancela luta contra Nasukawa e alega ter sido enganado

Publicado


Floyd Maywheater e Kenshin Nasukawa
Reprodução / Rizin

Floyd Maywheater e Kenshin Nasukawa

Dois dias após o anúncio do desafio entre Floyd Maywheater e o Kenshin Nasukawa pela Liga Asiática de MMA , o ex-boxeador usou seu Instagram para negar que tenha aceitado fazer uma luta oficial contra o japonês.

Leia também: Guarda-costas de Floyd Mayweather sofre tentativa de homicídio, diz polícia

Floyd Maywheater afirmou que foi convidado para participar de uma exibição de nove minutos, em três rounds, com um adversário selecionado pela ‘Rizin Fighting Federation’, e que esta seria uma exibição para um pequeno grupo de espectadores ricos por um ingresso muito caro.

‘Money’ alega que a apresentação foi oferecida apenas para fins de entretenimento, sem a intenção de ser representada como uma luta oficial televisionada em todo o mundo.

Leia também: Neymar é o quinto atleta mais bem pago do mundo; confira lista da Forbes

Confira a publicação de Maywheater

Visualizar esta foto no Instagram.

Now that I am back on U.S. soil after a long and disappointing trip to Tokyo, I now have the time to address you, my fans and the media in regard to the upcoming event on December 31st that was recently announced. First and foremost, I want it to be clear that I, Floyd Mayweather, never agreed to an official bout with Tenshin Nasukawa. In fact (with all due respect) I have never heard of him until this recent trip to Japan. Ultimately, I was asked to participate in a 9 minute exhibition of 3 rounds with an opponent selected by the “Rizen Fighting Federation”. What I was originally informed of by Brent Johnson of “One Entertainment” was that this was to be an exhibition put on for a small group of wealthy spectators for a very large fee. This exhibition was previously arranged as a “Special Bout” purely for entertainment purposes with no intentions of being represented as an official fight card nor televised worldwide. Once I arrived to the press conference, my team and I were completely derailed by the new direction this event was going and we should have put a stop to it immediately. I want to sincerely apologize to my fans for the very misleading information that was announced during this press conference and I can assure you that I too was completely blindsided by the arrangements that were being made without my consent nor approval. For the sake of the several fans and attendees that flew in from all parts of the world to attend this past press conference, I was hesitant to create a huge disturbance by combating what was being said and for that I am truly sorry. I am a retired boxer that earns an unprecedented amount of money, globally, for appearances, speaking engagements and occasional small exhibitions.

Uma publicação compartilhada por Floyd Mayweather (@floydmayweather) em 7 de Nov, 2018 às 10:53 PST

Leia também: Mayweather quer comprar time da Premier League e trazer Cristiano Ronaldo

“Agora que estou de volta aos Estados Unidos depois de uma longa e decepcionante viagem a Tóquio, agora tenho tempo para falar com vocês, meus fãs e a mídia sobre o evento de 31 de dezembro que foi anunciado recentemente. Em primeiro lugar, quero deixar claro que eu, Floyd Mayweather, nunca aceitei uma luta oficial com Tenshin Nasukawa. Na verdade (com todo o respeito), nunca ouvi falar dele até esta recente viagem ao Japão. Fui convidado a participar de uma exibição de nove minutos, em três rounds, com um adversário selecionado pela ‘Rizin Fighting Federation’. O que me informaram originalmente, Brent Johnson da ‘One Entertainment’, foi esta seria uma exibição para um pequeno grupo de espectadores ricos por um ingresso muito caro. Esta exibição foi previamente organizada como uma “Luta Especial” apenas para fins de entretenimento, sem a intenção de ser representada como uma luta oficial televisionada em todo o mundo. Uma vez que cheguei à coletiva de imprensa, minha equipe e eu fomos completamente descarrilhados pela nova direção que esse evento estava tomando e tivemos que colocar um fim a isso imediatamente. Quero pedir desculpas aos meus fãs pelas informações muito enganosas que foram anunciadas durante esta coletiva de imprensa e posso assegurar-lhes que também fiquei completamente surpreendido pelas providências que estavam sendo tomadas sem meu consentimento ou aprovação. Para o bem dos vários fãs e participantes que vieram de todas as partes do mundo para participar desta coletiva de imprensa, eu estava com receio de criar uma grande polêmica combatendo o que estava sendo dito e por isso eu realmente sinto muito. Eu sou um boxeador aposentado que ganha uma quantia sem precedentes de dinheiro mundialmente por apresentações, palestras e pequenas exposições ocasionais”, finalizou Floyd Maywheater .

Comentários Facebook

Esportes

Após ‘caso Koulibaly’, Inter de Milão lança campanha antirracista nas redes

Publicado


O zagueiro do Napoli, Koulibaly, foi alvo de cantos racistas da torcida da Inter de Milão
reprodução / Twitter

O zagueiro do Napoli, Koulibaly, foi alvo de cantos racistas da torcida da Inter de Milão

Depois de seus torcedores entoarem cânticos racistas em partida contra o Napoli, a Inter de Milão lançou uma campanha antirracismo com um vídeo no qual jogadores pedem que a torcida não faça o barulho “buu”, conhecido como uma ofensa.

Leia também:  Fernando Diniz fala sobre chegada de Ganso ao Fluminense: “está animado”

A gravação foi divulgada nas redes sociais da Inter de Milão nesta sexta-feira (18) e conta com a presença de Icardi e Samuel Eto’o, além dos ex-jogadores Luís Figo e Javier Zanetti.

O barulho “buu” é normalmente considerado como racista no futebol italiano. Por isso, a ideia dos nerazzurri é utilizar o vídeo sob o slogan “Brothers Universally United” (BUU) (“Irmãos Unidos Universalmente”, em português). De acordo com um comunicado do clube italiano, a campanha é “um convite para combater o racismo com sua própria arma: o buu racista”.

“É uma transição do negativo, para o positivo. É isso que queremos da campanha Buu, escreva, não diga”, disse o presidente do clube, Steven Zhang.

Leia também:  “Minha vontade era arrancar a cabela dela”, diz Maradona sobre término

Logo depois, o Milan se uniu ao rival e endossou a iniciativa. “O Milan está ao lado da Inter na luta contra o racismo, porque há desafios que vão muito além das cores e rivalidades”, escreveram os rossoneros no Twitter.

A campanha foi lançada após o zagueiro do Napoli Kalidou Koulibaly virar alvo de cânticos racistas entoados por torcedores da Inter, que foi punida com dois jogos no San Siro com portões fechados e uma terceira sem público na “curva norte”, onde ficam suas torcidas organizadas.

Leia também:  Barcelona escapa de punição e enfrentará o Sevilla nas quartas da Copa do Rei

Embora o próximo jogo contra o Sassuolo no sábado(19) seja sem torcida, a Inter de Milão afirmou que a liga italiana autorizou a entrada de 10 mil crianças da região no estádio. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Medalhista olímpico de snowboard anuncia pausa na carreira para tratar câncer

Publicado


Max Parrot, medalhista olímpico de snowboard, foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin, um tipo de câncer
Reprodução

Max Parrot, medalhista olímpico de snowboard, foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin, um tipo de câncer

Medalhista olímpico de snowboard, o canadense Max Parrot anunciou nesta sexta-feira (18) que foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin e estará ausente de toda a temporada 2019. O atleta de 24 anos é uma das maiores promessas dos esportes de inverno no Canadá.

Leia também:  Laís Souza comemora evolução em vídeo e agradece apoio de Neymar Jr.

A informação sobre a doença do atleta foi antecipada pelo perfil oficial da seleção de snowboard do Canadá na quinta-feira. Nas redes sociais, outros snowboarders prestaram solidariedade a Max Parrot , como o companheiro de seleção Marc McMorris.

O linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer que acomete o sistema linfático no pescoço, axilas ou virilhas. Os maiores sintomas são fadiga, febre e calafrios e é mais comum na faixa etária dos 20 aos 40 anos. Em entrevista coletiva, Parrot explicou que em setembro começou a sentir coceira ao redor do pescoço e procurou auxilio médico assim que percebeu um inchaço.

“Não tem sido uma notícia fácil de digerir, tanto para minha família quanto para mim”, explicou o atleta. O diagnóstico de Parrot saiu no último dia 21 de dezembro após a realização de uma biópsia.

Leia também:  Amanda Nunes organiza campeonato de futebol feminino em sua cidade

O snowboarder fez questão de ressaltar em sua entrevista que a batalha contra o câncer será sua única competição no ano. Ele deve se submeter a 12 sessões de quimioterapia nos próximos seis meses.

“Vou permanecer o mais positivo possível nos próximos meses. Teoricamente, se tudo correr bem, eu devo terminar a quimioterapia em junho. Mas é assustador, eu não vou esconder isso de vocês”, comentou aos jornalistas.

Inicialmente Parrot tinha pensado em pedir ao corpo médico que adiasse o inicio do tratamento para depois do X Games de Aspen, nos Estados Unidos, que acontece na próxima semana. Porém, o atleta mudou de ideia ao consultar os profissionais.

Leia também:  Rafael Nadal comemora boa forma física e classificação no Australian Open

Max Parrot é multicampeão no X Games, principal competição de esportes no mundo. Ele já venceu quatro vezes a categoria Big Air e uma vez a categoria Slopestyle. No início de 2018 o atleta do Canadá foi prata nos Jogos Olímpicos de PyeongChang na modalidade de Slopestyle.

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana