conecte-se conosco


Esportes

Copa do Mundo sub 17 no Brasil não utilizará nenhum estádio da Copa 2014

Publicado

estádio bezerrão
Reprodução

Estádio Bezerrão, no distrito federal, receberá abertura e final da Copa do Mundo sub 17

Entre outubro e novembro o Brasil voltará a sediar um torneio grande de futebol masculino. A Copa do Mundo sub 17, que inicialmente aconteceria no Peru, foi transferida para o Brasil por falta de estrutura no país vizinho, mas as primeiras informações de estádios da competição surpreenderam.

Leia também:  Árbitro de Brasil x Argentina quebra silêncio e fala sobre lances polêmicos

De acordo com o site Extra , a Fifa anunciará nesta quarta-feira (10) as cidades de Vitória, no Espírito Santo, Goiânia, em Goiás e Gama, no Distrito Federal, como sedes da Copa do Mundo sub 17 . Nenhum dos estádios construídos para a Copa do Mundo de 2014 serão utilizados.

A abertura e encerramento do evento serão realizadas no estádio Walmir Campelo Bezerra, mas conhecido como Bezerrão , que tem capacidade para 19 mil pessoas e fica em Gama, na capital federal.

De acordo com a publicação, a organização do Mundial escolheu estádios com menor capacidade e cidades pequenas por causa do perfil do torneio e para não interferir no andamento do Campeonato Brasileiro Série A. Além disso, a Fifa também não quer ‘passar a vergonha’ da Copa América com inúmeros lugares vazios nas Arenas.

O estádio Mané Garrincha, em Brasília, chegou a ser cogitado para a final, mas descartado pelo tamanho da operação. Sendo assim o Mundial sub 17 repetirá a formula do Mundial sub 20 que aconteceu no mês passado, na Polônia, e não utilizou nenhum grande estádio construído para a Eurocopa de 2012.

Leia também: E x-jogador do Liverpool tem cachorro roubado e apela: “Pago qualquer coisa”

A Copa do Mundo sub 17 terá 24 seleções e um total de 52 jogos. O sorteio dos grupos acontece na próxima quinta-feira (11), em Zurique, na Suíça. Confira abaixo os estádios que estarão no Mundial:

Estádio Walmir Campelo Bezerra (Bezerrão) – Distrito Federal

Estádio Hailé Pinheiro (Serrinha) – Goiás

Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira  – Goiás

Estádio Kléber Andrade – Espírito Santo

Comentários Facebook

Esportes

Flamengo vence Bahia e abre 10 pontos do Palmeiras

Publicado

source

O Flamengo venceu o Bahia por 3 a 1, neste domingo (10), no Maracanã, pela 32° rodada do Campeonato Brasileiro.

No primeiro tempo o volante Willian Arão, aos 38 minutos, marcou contra para o Bahia. No segundo, veio a virada do Flamengo. Aos 8 minutos, Reinier empatou. Bruno Henrique, aos 26, colocou os cariocas na frente. E Gabigol, aos 42, fechou o placar.

Com este resultado a equipe rubro-negra amplia a vantagem de 8, do início da rodada, para 10, em relação ao Palmeiras, vice-líder do Brasileirão. 

Mesmo com o empate, o tricolor baiano se manteve na nona posição, com 43 pontos conquistados. 

O Flamengo volta a campo nesta quarta-feira (13), contra o Vasco, no Maracanã. O jogo será válido pela 34° rodada, que foi antecipada em função da final da Copa Libertadores da América. 

O clássico inicialmente estava marcado para o dia 23, justamente a data da decisão da competição internacional.

Já o Bahia volta a campo no próximo domingo (17), no Estádio Fonte Nova, em Salvador-BA.

Edição: Verônica Dalcanal
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

De volta, Arthur Nory explica estratégia que rendeu título mundial

Publicado

source

Arthur Nory fez história ao conquistar o título Mundial na barra fixa, inédito para a ginástica artística brasileira. Mas não foi só esse pioneirismo que tornou o feito especial para o atleta de 26 anos. A medalha de ouro que trouxe de Stuttgart (Alemanha) tem a assinatura de um de seus ídolos, o alemão Fabian Hambüchen, campeão olímpico do aparelho em 2016.

“Tenho a foto dele no armário aqui do clube [Pinheiros]. Quando descobri que ele fez a medalha, tive mais vontade ainda de querer ganhar, pois ela é única, exclusiva”, revela o ginasta em entrevista à Agência Brasil.

O brasileiro chegou à final em Stuttgart como candidato à medalha. Para brigar pelo ouro planejava uma série diferente da executada na fase classificatória, com um grau de dificuldade maior. A estratégia mudou à medida que os rivais se apresentaram.

“Vínhamos trabalhando essa outra série já pensando na Olimpíada. Para a final ele tinha as duas prontas. Mas final é algo tenso. Não se pode cometer erros médios. E os adversários que foram antes dele foram cometendo esses erros. Analisamos e concluímos que não precisaríamos da série mais difícil, mas a apresentação [com a série da classificatória] teria que ser impecável”, diz o técnico Cristiano Albino.

“Eu treinei a série mais difícil aquela semana toda, pois queria ganhar, queria ser campeão. Fui lá para isso. Então eu poderia correr esse risco ou fazer bem a da classificatória, que me garantiria uma nota boa. Fui para cima e deu tudo certo”, completa Arthur, que obteve 14.900 pontos, contra 14.666 do croata Tin Srbic (segundo colocado) e 14.533 do russo Artur Dalaloyan (terceiro colocado).

A medalha conquistada na Alemanha enriqueceu a bagagem de Arthur nos dois meses que ficou longe do Brasil. Antes foram três nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru (ouro por equipes e duas pratas, na barra fixa e no individual geral). O brasileiro ainda esteve em Wuhan, na China, mas foi poupado nos Jogos Mundiais Militares por causa de dores no ombro.

Arthur Nory.

Arthur Nory em ação no Mundial de Ginástica de Stuttgart (Alemanha) – Ricardo Bufolin/CBG Confederação Brasileira de Ginástica

As conquistas vieram após a constatação, em maio, de que as dores no joelho esquerdo que incomodam Arthur há dois anos não tinham cura. Elas são causadas por uma condromalácia, um desgaste crônico na cartilagem. Por causa disso, apesar de já ser medalhista olímpico de bronze no solo, em 2016, a preparação visando a Olimpíada de Tóquio, no ano que vem, passou a priorizar de vez a barra fixa.

“Isso [lesão no joelho] dificulta a evolução no solo. [A apresentação] é boa, pode levá-lo à final, mas [disputar] medalha complica. Como ele sempre foi muito bom de barra, desde o início do ano demos um foco maior nesse aparelho. Vamos adotar estratégias para o Arthur fazer os demais aparelhos, até porque tem a competição por equipe e, provavelmente, ele pode disputar o individual geral. Porém, o planejamento será voltado para a barra”, explica Albino.

Arthur é o quarto brasileiro campeão mundial de ginástica. Antes dele venceram Daiane dos Santos (2003), Diego Hypolito (2005 e 2007) e Arthur Zanetti (2013). Deles, porém, apenas Zanetti também subiu ao pódio olímpico no ciclo, com a prata nas argolas nos Jogos de 2016, no Rio de Janeiro. Para repetir o “xará” em 2020, Nory aposta no trabalho da equipe com a qual trabalha diariamente no Pinheiros, em São Paulo.

“No ano que vem também tenho que estar bem, competindo bem, preparar a cabeça para lidar com a pressão, entre aspas, de ser campeão mundial, de defender um título olímpico. Tenho acompanhamento com psicóloga, a Carla, desde 2009. São anos de trabalho com ela. São detalhes que podem fazer a diferença. Venho treinando técnicas de respiração, mentalização, de sentir a emoção na hora da série, da comemoração. E é tudo trabalhado em conjunto. O fisioterapeuta fala com o treinador, que fala com o médico. A nutrição também entra. Tudo para chegar ao resultado”, conclui.

Edição: Fábio Lisboa
Comentários Facebook
Continue lendo

Ouça Agora

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana