conecte-se conosco


Esportes

Coluna – Olimpíada não tem jogo fácil

Publicado

source

Em Olimpíada não existe jogo fácil. A frase é batida, mas daqui até os Jogos de Tóquio ela será repetida à exaustão por jogadores, técnicos, dirigentes e comentaristas de vôlei. Em alguns casos essa sentença serve para dar um ar de humildade a determinado time. Ou alguém acha que na primeira fase dos Jogos do Rio, em 2016, a seleção feminina teve dificuldades para bater Camarões e Argentina? Em outras situações a frase lá do início do parágrafo é verdadeira e serve para justificar situações dramáticas. Foi o que aconteceu com a seleção masculina também em 2016. Naquele ano a equipe, então comandada por Bernardinho, correu o risco real de ser eliminada logo na primeira fase do torneio, o que seria um vexame histórico em pleno Maracanãzinho. O Brasil venceu a França no sufoco, avançou à segunda fase em quarto lugar no grupo e o resto é história.

A explicação é necessária para se analisar os grupos dos Jogos de Tóquio, que ficaram desenhados após o fim dos pré-olímpicos continentais. Começando pela seleção masculina, o Brasil caiu na chave B, o chamado grupo da morte. Isso porque, estando ao lado de Argentina, Estados Unidos, Rússia, França e Tunísia, se pode afirmar que os africanos têm pouquíssimas chances de avançar à segunda fase. Além disso, um medalhão do vôlei mundial cairá logo na fase de grupos. As vantagens de uma chave tão difícil aparecem mais adiante na competição. Isso porque, em teoria, os cruzamentos nas quartas de final tendem a ser favoráveis. E uma primeira fase que exija alto desempenho da seleção pode fazer o time jogar em alto nível durante todo o torneio.

O outro lado da moeda é a desvantagem de estar em um grupo mais tranquilo. E aí voltamos a lembrar da seleção feminina na Rio 2016. Naquela oportunidade o Brasil passeou em quadra e venceu todos os cinco jogos da fase de grupos por 3 sets a 0. Nas quartas de final enfrentou a China, vice-campeã mundial à época, e foi eliminada. As chinesas vinham de uma primeira fase complicada no grupo B. Mas após derrotarem o Brasil de forma dramática, embalaram e faturaram a medalha de ouro.

Em Tóquio a seleção estará na chave A, ao lado de Japão, Sérvia, Coreia do Sul, República Dominicana e Quênia. No papel, o Brasil está em um grupo mais tranquilo, até porque a distribuição das chaves jogou para o grupo B as potências China, Estados Unidos, Itália, Rússia, além de Turquia e Argentina. Só que ao realizar uma análise dos últimos resultados da seleção feminina contra os adversários do mesmo grupo, um sinal amarelo acende. Tudo bem que o time de José Roberto Guimarães jogou desfalcado em todas as últimas competições. Mas no ano passado o Brasil perdeu para Coreia do Sul e República Dominicana, resultados que eram difíceis de acontecer em outros tempos. Com o time completo, a campeã mundial Sérvia têm dificultado a vida brasileira neste ciclo. O Japão é sempre um time perigoso e, apesar de freguês, terá o apoio maciço da fanática torcida local.

Os Jogos de Tóquio prometem ser os mais equilibrados dos últimos tempos, e os caminhos das seleções masculina e feminina do Brasil serão quase opostos. A feminina terá um início um pouco menos tortuoso e vai enfrentar chumbo grosso nas quartas de final. Já a seleção masculina vai precisar suar a camisa para avançar à fase de mata-mata. O que eles têm em comum é a certeza de que, mais do que nunca, tanto homens como mulheres não terão vida fácil na Olimpíada.

Edição: Fábio Lisboa
Comentários Facebook

Esportes

Caxias do Sul sediará Surdolimpíada no ano que vem

Publicado

source

O Comitê Internacional de Esportes para Surdos (ICSD) confirmou nesta semana que o Brasil será sede da edição de 2021 das Surdolimpíadas. Envolvendo 6 mil atletas de mais de 100 países em 22 modalidades, os jogos ocorrerão entre os dias 5 e 21 de dezembro do ano que vem em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha.    

Em documento divulgado na quarta-feira (26), o comitê parabenizou a Confederação Brasileira de Desportos de Surdos (CBDS) e toda a equipe pelo trabalho feito para garantir que o país tenha condições de receber a competição, que será disputada pela primeira vez na América do Sul.

Em uma reunião realizada em janeiro, representantes da prefeitura local, da Universidade de Caxias do Sul, do ICSD e do Caxias Convention & Visitors Bureau definiram ações para sediar o evento esportivo.

O prefeito Flávio Cassina designou o secretário de Esportes e Lazer, Gabriel Citton, para fazer um projeto de captação de recursos financeiros junto aos governos federal e estadual. “Não podemos perder um evento dessa grandeza e de relevância na área do esporte, da inclusão social, mas que também movimenta o comércio e turismo. Temos tempo para juntos fazermos um belo trabalho”, disse Cassina, lembrando que o investimento para a realização do evento no Brasil deve passar de R$ 10 milhões.

O plano prevê competições na Vila Olímpica da universidade e em outros locais de Caxias do Sul, como o ginásio e as pistas de atletismo do Serviço Social da Indústria (Sesi), as piscinas Recreio da Juventude e os Estádios Centenário e Alfredo Jaconi. Cidades vizinhas, como Gramado, Bento Gonçalves e a capital, Porto Alegre, também poderão receber disputas esportivas ou auxiliar na acomodação das delegações das Surdolimpíadas.

Até agora, foram realizadas 23 edições dos Jogos Surdolímpicos. A primeira, conhecida na época como Jogos Internacionais em Silêncio, foi em 1924, em Paris.

Disputados de quatro em quatro anos, os jogos foram interrompidas apenas durante a segunda guerra mundial (de 1939 a 1945). A última Surdolimpíada foi realizada em 2017 e teve como sede a Turquia, com provas disputadas na cidade de Samsun.

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Argentino Martín Benítez chega ao Rio para jogar no Vasco

Publicado

source

Martín Benítez é o novo reforço vascaíno. O argentino de 25 anos desembarcou, nesta quinta-feira (25), no Aeroporto Internacional Tom Jobim, e explicou porque aceitou jogar pelo Vasco da Gama.

“Pela história que tem, pelos torcedores, porque sei que é um clube muito grande e a verdade é que estou muito contente de poder chegar ao Vasco. Sei que chego a um grande clube e sei que posso dar muito ao Vasco. Espero que eu possa dar meus 100% e estar em meu melhor nível no Vasco para ajudar a equipe e que o Vasco possa alcançar coisas e que possa estar no lugar que tem que estar”.

O meia-atacante veio emprestado por um ano para o clube carioca. Benítez é jogador do Independiente e fez parte do elenco que derrotou o Flamengo, nas finais da Copa Sul-Americana de 2017. Benítez também falou sobre a cidade que vai viver este ano. “Vim em 2016 e 2017 de férias. É um lugar muito bonito e espero que eu possa aproveitar com a família, mas sempre com responsabilidade sabendo que eu vim para jogar futebol e me entregar 100% ao Vasco”.

Com passagens pelas seleções de base da Argentina, Benítez não vivia um bom momento do Rei de Copas e espera reencontrar o bom futebol no Gigante da Colina. A previsão, feita pelo próprio jogador, é que ele possa estar disponível para Abel Braga na próxima quinta-feira (2), quando o Vasco enfrenta o ABC pela Copa do Brasil. Benítez e o conterrâneo Germán Cano foram as únicas contratações da gestão Alexandre Campello para a temporada.

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
Continue lendo

Esporte Amador

Estadual

Mais Esportes

Mais Lidas da Semana